fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Serena Williams, Garbine Muguruza, Dominika Cibulkova, Madison Keys, Australian OpenCopa Davis" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Serena Williams, Garbine Muguruza, Dominika Cibulkova, Madison Keys, Australian OpenCopa Davis" lang="pt-BR" xml:lang="pt-BR" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Serena Williams, Garbine Muguruza, Dominika Cibulkova, Madison Keys, Australian Opentênis" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2015/serena/0126_ausopen_commuguruza_int.jpg" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2015/serena/0126_ausopen_commuguruza_int.jpg" />
Notícias | Dia a dia | Australian Open
Serena comemora dura virada e revela resfriado
26/01/2015 às 10h06
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2015/serena/0126_ausopen_commuguruza_int.jpg" title="Serena teve muito trabalho para superar Muguruza" />

Serena teve muito trabalho para superar Muguruza

Foto: Site oficial
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d

Melbourne (Austrália) - A norte-americana Serena Williams sofreu bastante para seguir viva neste Australian Open. No duelo desta segunda-feira com a espanhola Garbiñe Muguruza, ela sai perdendo e precisou correr atrás do prejuízo para virar a partida e se classificar para as quartas de final do torneio, em que terá como adversária a pequenina eslovaca Dominika Cibulkova, atual vice-campeã.

Depois de passar por Muguruza, a número 1 do mundo revelou que além de superar a espanhola teve que passar por cima de um resfriado. Apenas fiquei um pouco doente e tenho lutado contra isso com vitamina C e essas coisas. Estou apenas tossindo bastante já melhorei em reação a ontem”, declarou Serena, que não poupou elogios à rival.

“Ela me fez jogar bastante, tive que fazer minha melhor partida do torneio ou algo do gênero. Ela estava disparando bolas vencedoras, cada vez que eu mandava uma bola voltava um winner. Então mudei minha tática e passei a bater melhor na bola do que ela”, avaliou a caçula das irmãs Williams. “Não estaria aqui se não tivesse dado 100%”, acrescentou.

Um dos fatores que ajudou a norte-americana foi o apoio do público, em especial de um torcedor que não parava de pedir que Serena jogasse com mais spin. “Ele estava certo e eu tentei. Estava tentando isso de qualquer maneira, mas foi uma coisa legal ficar ouvindo o meu nome toda hora”, comentou.

Contra Cubilkova, sua oponente nas quartas, Serena defenderá uma invencibilidade de quatro vitórias. Apesar do bom retrospecto, a norte-americana sabe que não terá moleza contra a pequenina eslovaca de apenas 1,61 m. “Ela é uma excelente jogadora. Pelo tamanho que tem, bate muito forte na bola. Tenho que manter o foco e não subestimá-la”, opinou a número 1 do mundo.

Serena não será a única norte-americana nas quartas de final, tendo a companhia da irmã Venus e da jovem Madison Keys, que irá duelar justamente com a mais velha das Williams e que ganhou elogios da caçula. “Vamos jogar juntas na Fed Cup, na próxima semana. Se ela continuar jogando tão bem, vou deixá-la jogar as minhas partidas para que eu possa ter um descanso”, brincou.

Ao avaliar a parceria com o técnico Patrick Mouratoglou, a norte-americana acredita que tenha evoluído muito desde iniciou seu trabalho com o treinador. “Acho que Patrick acrescentou mais do que uma ou duas coisas no meu jogo. Ele me trouxe muita consistência, motivação e estratégia. Vou para a partida sabendo exatamente o que tenho que fazer e isso deixa tudo mais fácil”.

Últimas notícias
Comentários
Faberg
Roland Garros Series