fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Novak Djokovic, Gilles Muller, Milos Raonic, Australian Open, Copa Davis" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Novak Djokovic, Gilles Muller, Milos Raonic, Australian Open, Copa Davis" lang="pt-BR" xml:lang="pt-BR" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Novak Djokovic, Gilles Muller, Milos Raonic, Australian Open, tênis" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2015/djokovic/0126_ausopen_vibra_int.jpg" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2015/djokovic/0126_ausopen_vibra_int.jpg" />
Notícias | Dia a dia | Australian Open
Djokovic acredita que quebras vieram na hora certa
26/01/2015 às 14h16
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2015/djokovic/0126_ausopen_vibra_int.jpg" title="Djokovic tem sequência de sacadores pela frente" />

Djokovic tem sequência de sacadores pela frente

Foto: Divulgação
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d

Melbourne (Austrália) - Três quebras definiram a vitória desta segunda-feira de Novak Djokovic diante do luxemburguês Gilles Muller, uma para cada set. O potente saque do rival do sérvio nas oitavas de final do Australian Open deu trabalho, mas não o suficiente para impedi-lo de seguir na competição. O número 1 do mundo inclusive terminou com números melhores nos serviços do que o experiente canhoto que o enfrentou.

Djokovic levou a melhor nos aces, terminado o jogo com 13 contra sete do luxemburguês, que venceu apenas 23% dos pontos de devolução, diante de 35% do número 1. Tal diferença de desempenho fez com que o sérvio saísse de quadra com vitória em sets diretos. “Consegui três breaks em momentos cruciais, especialmente no segundo e terceiro sets, com algumas boas passadas”, comemorou.

“Tentei fazê-lo jogar uma bola a mais sempre. Ele saca e voleia, tem o serviço difícil de ler e com muito slice. Tinha analisado seu jogo e sabia disso, mas é uma coisa totalmente diferente quando você entra em quadra para jogar”, acrescentou o sérvio, que foi questionado sobre o que achava da estratégia de sacar e volear adotada por Muller na partida e de como via o seu futuro no tênis.

“Tudo depende de como a tecnologia vai evoluir, de como as bolas vão ficar, se mais rápidas ou mais lentas. Conversei com algumas pessoas e elas sentem que o jogo ficou mais rápido aqui na Austrália. Ele tentou subir mais, fez um jogo inteligente e me deixou desconfortável em alguns momentos. É isso que jogadores de saque-e-voleio fazem. Não há muitos deles nos últimos tempos”, afirmou.

“O futuro é difícil de prever, mas sabemos que 20 ou 30 anos atrás era mais comum”, complementou o líder do ranking, que deixou a quadra contente com sua apresentação nesta segunda-feira. “Tive um bom desempenho como um todo, saio com sensações positivas, principalmente com o saque. Consegui muitos aces e pontos de graça, o que me anima para a sequência do torneio”, opinou.

Djokovic ainda não perdeu um set sequer, o que deixa sua confiança em alta para a sequência do torneio. “Fiz quatro partidas, ainda não perdi um set e estou nas quartas de final. Isso é muito positivo, ainda mais porque tive jogos duros nas última duas rodadas”, declarou o sérvio. Apesar dos bons resultados, ele sabe que ainda pode e deve melhorar.

Nas quartas de final, outro grande sacador virá em seu caminho, desta vez o canadense Milos Raonic. Para o sérvio, dá para transferir alguma coisa da dificuldade com o saque do luxemburguês para o próximo jogo. “Ajuda a você se preparar para devolver melhor, mas ele é destro e Muller é canhoto e terei que ajustar isso”, avaliou o tenista de Belgrado.

Raonic ganhou elogios do sérvio, que minimizou a dificuldade física no jogo do canadense. “Ele é um jogador disciplinado e sempre trabalha duro, gastando muito tempo na academia para preparar melhor seu corpo Moramos no mesmo lugar, treinamos juntos e ele é um grande amigo. Preciso jogar o meu melhor se quiser vencer”, comentou Djokovic.

Últimas notícias
Comentários
Faberg
Roland Garros Series