fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Serena Williams, Roland Garros , Copa Davis" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Serena Williams, Roland Garros , Copa Davis" lang="pt-BR" xml:lang="pt-BR" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Serena Williams, Roland Garros , tênis" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2015/serena/0506_madri_term_int.jpg" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2015/serena/0506_madri_term_int.jpg" />
Notícias | Dia a dia | Roland Garros
Serena minimiza busca por 20º título de Slam
23/05/2015 às 16h58
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2015/serena/0506_madri_term_int.jpg" title="Serena se diz recuperada de lesão no cotovelo" />

Serena se diz recuperada de lesão no cotovelo

Foto: Arquivo
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d

Paris (França) - Com 19 títulos de Grand Slam no currículo, Serena Williams já tem seu nome escrito na história do tênis. A americana, líder do ranking, chega para a disputa de Roland Garros sem pensar em recordes e minimiza qualquer tipo de pressão por resultados.

"Honestamente, se eu chegar a 20, seria ótimo. Se eu passar, melhor ainda. Mas acho que 19 é impressionante também", disse Serena na última sexta-feira, durante entrevista coletiva. "Eu nunca pensei que chegaria tão longe. Todo dia eu sinto que estou vivendo um sonho e não quero acordar, porque está sendo muito bom".

Serena está empatada com Helen Wills-Moody no terceiro lugar entre as maiores vencedoras em todos os tempos. À frente dela estão a alemã Steffi Graf (recordista da Era Aberta, com 22 conquista) e a australiana Margaret Court, que acumulou 24 títulos de Grand Slam na carreira.

"Você sabe o que é bom sobre o tênis? Ao contrário de basquete e do futebol, você tem quatro chances por ano para chegar a um Grand Slams e tentar ganhar um. Isso nos dá um pouco mais oportunidade de tentar chegar lá, mesmo que a competição seja cada vez mais difícil".

Com 241 semanas no topo do ranking, sendo 117 seguidas, Serena destacou a força que teve nessa retomada da carreira há quatro anos depois de uma grave lesão no pé e uma embolia pulmonar a deixaram onze meses parada por 11 meses. Para a número 1 do mundo, a consistência conquistada atualmente é algo inédito.

"Eu tive muitos altos e baixos na minha carreira e nos últimos anos tenho sido muito consistente. Acho que, desde 2011, quando eu recomecei (após lesões e doenças), fiz o melhor que posso. Isso é algo que eu realmente nunca fiz na minha carreira", disse ela.

Também foi assunto durante a entrevista de Serena a lesão no cotovelo direito que a fez desistir durante a disputa do Premier de Roma na semana passada. Ela ainda comentou que no passado, preferiu continuar jogando na Itália e acabou perdendo ainda na segunda rodada de Roland Garros.

"O cotovelo está muito melhor", disse Serena. "Eu estava preocupada com isso, mas o tratamento está aliviando a dor e diminuindo os sintomas substancialmente", acrescentou. "Eu estou apenas começando a servir mais forte, então eu já pensei 'Sim!'", vibra a americana.

"Eu acho que foi a decisão certa neste ano. No ano passado eu quase desisti Roma, acabei jogando e vencendo, mas cheguei em Paris e não pude treinar bem até sexta-feira. Isso foi muito difícil", contou Serena, que perdeu para Garbine Muguruza no ano passado.

É bom ter um pouco mais tempo de treino antes de um Grand Slam como uma boa semana. E isso é algo que eu realmente precisava ter aqui".

Serena estreia em Roland Garros, torneio do qual é bicampeã, contra a tcheca Andrea Hlavackova, em data e horário ainda serem confirmados pela organização. Há possibilidade de um duelo com Victoria Azarenka na terceira rodada.

Últimas notícias
Comentários