fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Angelique Kerber, Serena Williams, US Open, número 1, Copa Davis" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Angelique Kerber, Serena Williams, US Open, número 1, Copa Davis" lang="pt-BR" xml:lang="pt-BR" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Angelique Kerber, Serena Williams, US Open, número 1, tênis" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2016/kerber/0821_cincy_back_int.jpg" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2016/kerber/0821_cincy_back_int.jpg" />
Notícias | Dia a dia | US Open
Para minimizar pressao Kerber ignora número 1
27/08/2016 às 13h59
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2016/kerber/0821_cincy_back_int.jpg" title="Kerber só depende de si para alcançar o posto de número 1 do mundo" />

Kerber só depende de si para alcançar o posto de número 1 do mundo

Foto: Arquivo
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d

Nova York (EUA) - A alemã Angelique Kerber vai iniciar sua campanha no US Open sob os holofotes do circuito feminino. Tudo isso porque ela tem grande chance de terminar o torneio na liderança do ranking, destronando a norte-americana Serena Williams da condição de número 1 do mundo na WTA.

Sabendo da pressão que pode sentir, a germânica resolveu adotar uma postura tranquila em relação à oportunidade de se tornar a nova líder. "Não vou me pressionar muito por causa disso. Claro que se conseguir chegar a ser número 1 do mundo com certeza será incrível", disse Kerber, que vai abrir sua campanha contra a eslovena Polona Hercog. 

"Aprendi muitas coisas no ano passado, especialmente em Cingapura, onde precisava vencer apenas um set na última partida e acabei não sabendo lidar com a pressão que coloquei em mim mesma", observou a alemã, lembrando o ocorrido no WTA Finals de 2015, quando entrou no último jogo da fase de grupos praticamente classificada e acabou eliminada ao perder por 2 a 0.

Kerber novamente depende apenas de si e basta apenas fazer campanha igual a de Serena para assumir a liderança da WTA. "Tenho aprendido com minhas derrotas e a lidar com meus altos e baixos. Por isso não quero pensar muito nisso. Estou aqui para jogar tênis, algo que eu amo fazer. Se vier o número 1, ótimo, mas se não vier também vou aproveitar o momento. Estou vivendo a melhor temporada da carreira", finalizou a campeã do Australian Open de 2016.

Na semana passada, a alemã já perdeu sua primeira chance de comandar a lista feminina. Ela podia ter assumido a liderança se fosse campeã em Cincinnati. Agora, no US Open, além de Kerber e Serena, também disputam a ponta a polonesa Agnieszka Radwanska e a espanhola Garbiñe Muguruza.

Últimas notícias
Comentários
Faberg
Roland Garros Series