Notícias | Dia a dia | Australian Open
Federer e Will Ferrel fazem divertida entrevista
16/01/2018 às 13h21

Melbourne (Austrália) - Após a vitória por 6/3, 6/4 e 6/3 sobre o esloveno Aljaz Bedene em sua estreia no Australian Open, Roger Federer teve uma divertida experiência na Rod Laver Arena. A tradicional entrevista dentro de quadra, que costuma ser conduzida por um ex-jogador ou um mestre de cerimônias, ganhou um convidado especial. O ex-número 1 do mundo John McEnroe cedeu o microfone ao ator Will Ferrel, que fez perguntas incomuns ao suíço.

Ferrell: Hoje você se parecia com uma gazela em quadra. Você descreveria seu jogo como o de uma gazela?
Federer: Talvez sim, Talvez não. A gazela não é sempre comida no final?
Ferrel: Não se ela for rápida o suficiente.

Ferrel: Vocês está com 36 anos e parece ser eterno. Você é um bruxo ou um vampiro?
McEnroe: Qual dos dois é melhor?
Federer: Eu não gosto tanto...
Ferrel: Provavelmente um vampiro.

Ferrel: Há um rumor no vestiário de que você adora vir jogar aqui em Melbourne e que seu segredo para a boa forma é que você só come carne de vombate (um marsupial australiano). Isso é verdade?
Federer: Isso não é verdade.
Ferrel: Você já experimentou?
Federer: Ainda não, eu deveria?
Ferrel: É deliciosa. É o prato nacional da Austrália.

Ferrel: Eu sei o quanto a torcida significa para você, mas não é chato quando eles ficam gritando 'Come on Roger!',
'Come on Roger!' o tempo todo?
Federer: Eles me ajudam a me lembrar do meu nome. Quando a gente fica velho, a gente começa a esquecer o próprio nome.

Já na sala de imprensa, Federer falou aos jornalistas sobre sua relação com a mídia e espera que mais jogadores sejam espontâneos durante as entrevistas. "O poder do microfone é engraçado. Acho que alguns jogadores sofrem com isso. Gostaria de ver mais jogadores sendo realmente eles mesmos na frente da imprensa, ficando mais relaxados e sem se preocupar tanto em cometer erros. Eu sinto que, às vezes, alguns jogadores se parecem um pouco com robôs. Eu queria que eles se soltassem e fossem eles mesmos. Eu tento sempre fazer isso. Nem sempre é fácil, mas eu esforço muito".

Comentários