Notícias | Dia a dia | Australian Open
Para Wozniacki, segredo foi não dar pontos de graça
17/01/2018 às 08h53

Wozniacki salvou dois match points e venceu os últimos seis games da partida para conseguir virada

Foto: Divulgação

Melbourne (Austrália) - Depois de conseguir uma virada incrível em seu segundo jogo no Australian Open, Caroline Wozniacki destacou seu espírito competitivo para se manter viva no Grand Slam australiano. A dinamarquesa que salvou dois match points e venceu seis games seguidos depois de ver a croata Jana Fett liderar o terceiro set por 5/1 afirma que o mais importante foi não dar pontos de graça para a adversária.

"Naquele momento eu pensava que ela ainda teria que fazer mais quatro pontos para vencer o jogo e que isso não seria fácil", disse Woznacki após a vitória por 3/6, 6/2 e 7/5. "Quando ficou 40-15, senti que estava com um pé fora do torneio, ela deu um ótimo saque no T, que saiu por pouco, então tive um pouco de sorte ali".

"Senti que ela estava um pouco pressionada e nesse momento eu pensei que não poderia dar nada de graça. Eu pensei que ela estava próxima de vencer a número 2 do mundo, sendo ela cerca de 100 do mundo. Seria um grande momento para ela", explicou sobre a rival de 21 anos e 119ª do ranking.

"Sei como a gente se sente quando está perto de conseguir algo muito grande e senti que poderia ter uma oportunidade se eu diminuísse para 5/2", comentou a experiente dinamarquesa. "Quando eu quebrei o saque dela, eu pensei: 'Ok, continuo vida. Ela ainda tem que ganhar quatro pontos no game para vencer o jogo'. E continuei lutando e sendo agressiva".

Wozniacki avalia que a desvantagem no placar do set decisivo se deu por um aproveitamento melhor da croata nos pontos mais importantes no início daquela parcial. "O terceiro set poderia ter ido para qualquer lado. Tive oportunidades no primeiro e no segundo game, mas não consegui vencê-los. Ela estava recuperando muitas bolas, fazia ótimas devoluções e de repente eu estava perdendo por 5/1".

"Mas quando eu estava perdendo e quase fora do torneio, comecei a jogar melhor. Sinto que comecei a jogar o tênis que queria", explicou a jogadora de 27 anos, que considerou esta como a maior virada que já conseguiu na carreira. "Estou muito orgulhosa pelo jeito que consegui virar esse jogo. Definitivamente, não foi minha melhor atuação, especialmente no início. Eu apenas tentei me concentrar mentalmente, tentei fazer meu jogo e foi muito difícil, porque ela estava jogando bem".

Após a batalha de 2h37 desta quarta-feira, Wozniacki terá um dia de descanso antes de enfrentar a holandesa Kiki Bertnes, que venceu a norte-americana Nicole Gibbs por 7/6 (7-3) e 6/0. A dinamarquesa levou a melhor nos dois duelos anteriores com Bertens, 32ª do mundo, ambas em sets diretos.

Comentários