Notícias | Dia a dia | Australian Open
Sensação do Australian Open leva tênis até no nome
23/01/2018 às 00h56

Sandgren nunca havia vencido tantos jogos na sequência

Foto: Divulgação

Melbourne (Austrália) - Até o começo deste Australian Open, o norte-americano Tennys Sandgren era um ilustre desconhecido que apenas os mais fervorosos fãs de tênis poderiam conhecer. E não é à toa, uma vez antes de iniciar sua caminhada no Melborune Park ele só havia vencido dois dos dez jogos em nível ATP que disputara. Só que tudo mudou no primeiro Grand Slam da temporada, onde o atual 97 do mundo já bateu dois top 10 e está nas quartas de final.

"Fui para as entrevistas coletivas depois de ambas as vitórias pensando que era exatamente essa a hora que você acorda do sonho", brincou o norte-americano de 26 anos após seu triunfo por 3 sets a 2 contra o austríaco Dominic Thiem, que o garantiu nas quartas de final. Ele também foi o algoz do suíço Stan Wawrinka, que não estava em sua melhor forma física e assim foi eliminado por Sandgren ainda na segunda rodada.

O desempenho do norte-americano não é a única coisa que chama a atenção e fica mais ou menos no mesmo patamar do seu curioso nome, que não tem nada a ver com o esporte que pratica, nem com Tennessee, estado onde nasceu. Tennys é na verdade uma enorme coincidência: é o nome de seu avô, que era sueco de nascimento e jamais pegou uma raquete na mão.

Tennys inclusive nem sempre é o nome usado pelo jogador. "É quase sempre a mesma coisa quando eu falo o meu nome. As pessoas sempre relacionam ao esporte e me perguntam se eu jogo, se eu tenho uma raquete. Não dou o meu verdadeiro nome quando vou pedir um sanduíche ou um café, digo que me chamo David ou qualquer outro nome. Eu não quero ficar falando sobre o meu nome quando peço um café, especialmente quando é de manhã", contou.

Embora a família Sandgren não tenha nomeado o filho por causa do esporte, foram eles que acabaram o levando a optar pelo tênis. "Meus pais e meu irmão mais velho jogam e você acaba meio que querendo fazer o que sua família faz. Eles sempre estavam em quadra e eu também resolvi fazer a mesma coisa", revelou o norte-americano.

"Minha mãe foi minha treinadora até eu ir para a faculdade. Ela cresceu na África do Sul e não tinha muito contato com o tênis até chegar aos 30 anos, foi quando se apaixonou pelo esporte. Ela é uma pessoa muito dedicada", acrescentou Sandgren, que entrou para o top 100 pela primeira vez apenas em setembro do ano passado e tem como melhor ranking a 85ª colocação.

Com a campanha em Melbourne, em sua primeira aparição na chave principal do torneio, se tornando apenas o segundo debutante em 20 anos a alcançar as quartas, ele dará um salto de mais de 40 posições na lista da ATP e irá aparecer por volta do 55º posto no próximo ranking. Sandgren terá agora pela frente o jovem sul-coreano Hyeon Chung, que surpreendeu o sérvio Novak Djokovic nas oitavas.

Comentários