Notícias | Dia a dia | Roland Garros
Djokovic domina e chega à 3ª rodada pela 13ª vez
30/05/2018 às 10h13

Djokovic consegue segunda vitória em sets diretos

Foto: Site oficial

Paris (França) - Apesar de alguns altos e baixos e da boa atuação do jovem adversário, o sérvio Novak Djokovic manteve o favoritismo e superou o espanhol Jaume Minar, de 21 anos e apenas 155º do ranking, por sets diretos e parciais de 7/6 (7-1), 6/4 e 6/4. Em 14 participações em Paris, Djokovic só não atingiu a terceira rodada uma vez, com a desistência logo na sua estreia, em 2005.

Tendo enfrentado dois jogadores oriundos do qualificatório na sequência, o sérvio mantém a excelente marca de jamais ter perdido para um qualificado em 17 confrontos de Grand Slam. No geral do circuito, tem agora 69 vitórias em 75 tentativas, com duas quedas em 2018 (Taro Daniel e Martin Klizan). Seu próximo adversário é outro espanhol, Roberto Bautista, que passou pelo colombiano Santiago Giraldo, 6/4, 7/5 e 6/3. O sérvio venceu seis de sete duelos, três sobre o saibro e um em Roland Garros.

Com mais este triunfo, Djokovic se aproxima da marca de 800 vitórias na carreira, o que poderá atingir em caso de título em Paris. Ao mesmo tempo, já tem 198 sobre o saibro na carreira e 61 em Roland Garros. Possui um histórico respeitável no saibro parisiense. Sua pior derrota até hoje foi para o então 31º do ranking na terceira rodada de 2009, o alemão Philipp Kohlschreiber.

Mais uma vez, Djokovic começou a partida de forma lenta e foi quebrado de cara. Mas aos poucos se soltou, aproveitando-se da conduta um tanto defensiva do jovem adversário e saltou para 5/2. Com o saque para fechar o set, vacilou e Munar mostrou qualidades. No tiebreak, no entanto, sérvio foi muito agressivo e não deu qualquer oportunidade.

Djokovic consegue quebra precoce no segundo set, mas aí jogou um game irregular. O espanhol mudou então a postura e buscou mais a definição dos pontos. Na hora certa, Djokovic elevou o nível, fez excepcionais devoluções e quebrou no nono game, concluindo em seguida.

A vantagem deixou o campeão de 2016 mais solto e alegre. Brincou com o público, pediu aplausos, elogiou ponto do adversário. E foi só esperar o espanhol se apressar no sétimo game para obter a quebra definitiva.

Comentários
Faberg
Roland Garros Series