Notícias | Dia a dia | Roland Garros
Nadal: 'Sempre ouvi que teria uma carreira curta'
31/05/2018 às 18h52

Líder do ranking mundial, Nadal completa 32 anos no próximo domingo

Foto: Divulgação

Paris (França) - Número 1 do mundo e prestes a completar 32 anos no próximo domingo, Rafael Nadal falou sobre a longevidade de sua carreira. Depois de vencer seu segundo jogo em Roland Garros, o espanhol comemorou o fato de poder seguir lutando por títulos importantes durante tanto tempo.

"Se quando eu tinha 25 anos, alguém me perguntasse se eu continuaria ganhando títulos seis anos depois, eu não acreditaria. Eu provavelmente pescando ou fazendo outras coisas, mas aqui estamos, e estou muito feliz por lutar pelos grandes títulos e por continuar jogando tênis com a minha idade", disse Nadal após a vitória por 6/2, 6/1 e 6/1 sobre o canhoto argentino Guido Pella

"Sempre ouvi dizer que eu teria uma carreira curta devido ao meu estilo de jogo. Estou feliz por continuar jogando tênis, porque este esporte me deu muito na minha vida", argumentou o Rei do Saibro, que luta por seu 11º troféu em Roland Garros.

A respeito da partida nesta quinta-feira, Nadal saiu de quadra bastante satisfeito com seu desempenho. "O início da partida foi um pouco complicado, porque o Pella jogou muito bem. Mas depois de conseguir a primeira quebra, tudo mudou a meu favor e tudo ficou mais fácil"

"Estou muito feliz pela vitória e por chegar à terceira rodada. Hoje eu fiz um jogo muito sólido e, com o passar do tempo, melhorei muito o meu nível. O forehand começou a funcionar depois do primeiro set e eu comecei a acumular muitos winners. Um resultado de 6/2, 6/1 e 6/1 só é alcançado se você jogar em um nível alto, então estou feliz com isso", complementou o número 1 do mundo.

Acostumado a jogar na quadra Philippe Chatrier, palco onde conquistou seus dez troféus de Roland Garros, Nadal atuou na quadra Suzanne Lenglen, a segunda maior do complexo parisiense, e falou sobre as diferenças entre as duas arenas. "A Lenglen é uma quadra mais normal como as de Barcelona ou Monte Carlo. A Philippe Chatrier é totalmente diferente. Por ser muito grande, venta bastante e mais fácil de perder a referência visual. É um sentimento diferente.

Nadal agora se prepara para enfrentar um de seus melhores amigos no circuito, o francês Richard Gasquet. Os dois têm a mesma idade, nasceram em junho de 1986, e se conhecem desde o circuito juvenil. O retrospecto é amplamente favorável ao espanhol, que venceu todos os quinze duelos em nível ATP. A única vez que o francês levou a melhor no circuito profissional foi em um challenger disputado em 2003.

"Richard é uma ótima pessoa. Eu sempre tive um ótimo relacionamento com ele. Nós nos conhecemos quando tínhamos 12 anos de idade e desde então temos um ótimo relacionamento e treinamos várias vezes juntos. Ele é um dos caras no circuito que sempre tem uma atitude muito positiva. Será um jogo emocionante, contra um bom amigo, em um dos torneios que ele mais gosta quando atuar, diante de seu público e será muito especial para mim também".

Gasquet também falou sobre sua longa relação com Nadal. "Eu me lembro de quando eu joguei contra ele em Monte Carlo. Quando ele terminou o jogo, eu estava com meu pai naquele momento e disse: 'Ele vai ganhar este torneio e poderá ganhar muitos Grand Slams depois', porque ele já era um jogador incrível", lembra o francês sobre o segundo duelo de ATP entre eles, ainda em 2005.

"Eu não achava que ele iria ganhar dez vezes, mas sabia que ganharia uns cinco ou seis. Eu o conheço há muito tempo, desde que ele e eu éramos muito jovens e aprecio isso. Todos nós sabemos o campeão que ele é, mas eu quero fazer o meu melhor", complementou o ex-top 10 e atual 32º do ranking.

Comentários