Notícias | Dia a dia | Roland Garros
'Esse jogo vai mudar minha vida', diz Cecchinato
05/06/2018 às 19h32

Algoz de Djokovic no torneio, o italiano marcou a maior vitória da carreira

Foto: Divulgação

Paris (França) - Semifinalista de Roland Garros e algoz de Novak Djokovic no Grand Slam francês, Marco Cecchinato tem consciência que a expressiva vitória obtida nesta terça-feira deve mudar o rumo de sua vida e carreira. O italiano de 25 anos e 72º do ranking nunca havia vencido um jogo de Slam antes de sua incrível campanha em Paris.

"Acho que isso vai mudar minha vida. Depois de Roland Garros, preciso descansar um pouco para perceber o que está acontecendo", disse Cecchinato após vencer Djokovic por 6/3, 7/6 (7-4), 1/6 e 7/6 (13-11) em 3h26 de disputa nesta terça-feira.

"É muito especial para mim, mas não sei por que agora. Eu trabalho muito com minha equipe e estou muito focado em cada partida", acrescentou o italiano, procurando palavras para descrever a magnitude de sua vitória.

"No início do jogo, eu só pensava 'Ele é o Novak', nos dois tie-breaks eu também pensava 'Ele é o Novak". Mas eu estava muito focado em todos os pontos e joguei muito bem", comentou o italiano. "No match point, quando eu vi que a devolução foi na linha, foi o melhor momento da minha vida".

Cecchinato contou aos jornalistas o que ouviu de Djokovic quando foi abraçado pelo sérvio depois da partida. "Novak é uma pessoa muito boa. Ele atravessou a quadra e me disse: 'Parabéns, cara, isso foi inacreditável. Boa sorte. É um sonho para mim!".

O italiano agora se prepara para enfrentar o número 8 do mundo Dominic Thiem. A semifinal de Roland Garros será um inédito confronto na elite do circuito, mas Cecchinato tem boas memórias de um confronto em torneios menores. "Eu ganhei o último jogo contra o Thiem, eu acho. Foi a final de um future", brincou sobre uma vitória na decisão do future de Modena, em julho de 2013. No ano seguinte, entretanto, Thiem levaria a melhor no quali para o ATP de Doha. "Quero acreditar que também posso vencer Dominic Thiem. Por que não?"

Comentários