Notícias | Dia a dia | Roland Garros
Para Muguruza, luta pelo nº 1 fica em segundo plano
06/06/2018 às 18h25

Muguruza pode voltar à liderança do ranking se vencer Halep nesta quinta-feira

Foto: Divulgação

Paris (França) - A semifinal de Roland Garros entre Simona Halep e Garbiñe Muguruza, marcada para não antes das 10h (de Brasília) desta quinta-feira, vale a liderança do ranking mundial. Mas para a espanhola, que já esteve na primeira posição por quatro semanas no ano passado e atualmente ocupa o terceiro lugar, a disputa pelo número 1 fica em segundo plano e o mais importante é buscar o título do Grand Slam francês.

"O ranking não é tão importante, porque essas mudanças estão acontecendo constantemente desde o ano passado. Então eu dou menos importância para isso", disse Muguruza. "Eu dava mais importância antes, porque é por isso que você luta a cada semana, e cheguei lá. É bom poder jogar disputando a posição o tempo todo, mas toda semana há uma nova chance, há uma coisa nova. Então é isso."

A espanhola venceu três dos quatro duelos anteriores contra Halep. "Ela é agora provavelmente a melhor jogadora. Bem, ela é a número 1. Então estou animada para disputar uma boa semifinal", avaliou a ex-líder do ranking, que tenta alcançar sua quarta final de Grand Slam na carreira.

Muguruza comemorou a grande atuação que teve nesta quarta-feira, quando derrotou Maria Sharapova por 6/2 e 6/1 em apenas 1h11. Embora cada jogadora tenha feito dez winners, a espanhola cometeu apenas quinze erros contra 27 da rival russa. "Acho que tive um bom desempenho hoje, foi um jogo sólido e estou feliz com isso".

"Ser agressiva faz parte do meu jogo e quando se está diante de alguém que também tem um estilo agressivo, a disputa acaba sendo entre quem assume o comando dos pontos e quem aproveita a primeira oportunidade", acrescentou. "Eu estava focada em ganhar todos os pontos e todos os games", completou a campeã de 2016.

A jogadora de 24 anos marcou sua primeira vitória em quatro jogos contra Sharapova, sendo que o último duelo havia acontecido ainda em 2014. Até por isso, a espanhola se sente uma atleta mais completa. "A última vez que nos enfrentamos foi há muito tempo, e muitas coisas aconteceram desde então".

"Sinto que hoje eu sou uma jogadora mais desenvolvida e estava muito motivada. São as quartas de final de um Grand Slam, afinal", explicou. "Sabia que seria uma luta intensa, porque ela era uma jogadora difícil. Eu não estava pensando muito sobre o resultado, mas sim em não perder meu nível e não dar a ela um único ponto. Acho que isso ajudou meu desempenho".

Comentários