Notícias | Dia a dia
'Um Nadal nasce a cada 300 anos', afirma Verdasco
22/06/2018 às 14h08

Verdasco rasgou elogios ao compatriota

Foto: Arquivo

Londres (Inglaterra) - Eliminado logo na estreia no ATP 500 de Mallorca, o espanhol Fernando Verdasco falou um pouco como é jogar à sobra de um cara como o compatriota Rafael Nadal. Em entrevista para o Marca, o canhoto madrilenho afirmou que o patamar atingido pelo 11 vezes campeão de Roland Garros fez com que o parâmetro para o sucesso em seu país virasse outro.

"Há países que um jogador quando faz quartas ou semifinal em um grande torneio já vira um herói. Na Espanha, se você não ganha Roland Garros ou vira número 1 do mundo, é considerado muito ruim. As pessoas não entendem que um jogador como Nadal nasce a cada 300 anos. Não existiu ninguém como ele em toda a história", disse Verdasco.

Aos 34 anos de idade, o madrilenho já foi top 10, chegou a ser o sétimo do mundo em 2009, disputou 23 finais na carreira e conquistou sete títulos. "Cada um é como é. Eu estou muito contente com a carreira que tive e tenho certeza que muita gente gostaria de ter uma trajetória como a minha", analisou o atual 33 do mundo.

Verdasco acha que ainda pode fazer mais ainda no circuito e por isso segue treinando firme. Na atual temporada ele é o 24º que mais somou, tendo como destaque a campanha no Rio Open, onde foi vice-campeão. "Acredito que possa seguir fazendo bons resultados. Não me importa muito o ranking, o que tenho que fazer é trabalhar duro para melhorar", comentou o espanhol.

"Não sei o quanto ainda me resta de carreira, mas hoje a vida útil dos tenistas é maior, nos cuidamos muito mais do que antes. A medicina e as técnicas de recuperação são muito mais avançadas, assim como a alimentação e todo o entorno", finalizou Verdasco.

Comentários
Raquete novo
Mundo Tênis