Notícias | Dia a dia | Wimbledon
O que estão comentando em Wimbledon
14/07/2018 às 08h15

Isner e Anderson protagonizaram o terceiro jogo mais longo da História.

Foto: Divulgação

“Eu me sinto terrível. Meu calcanhar esquerdo está me matando. Tenho uma bolha horrível no pé direito. É terrível perder, mas dei tudo que tinha em quadra. Perdi para alguém que foi um apenas um pouco melhor no final.”
Isner depois de perder o duelo épico com Anderson

"Você está realmente em uma guerra lá. Está muito além de uma partida ou tática normal de tênis. Quero dizer, é só uma questão de quem vai, você sabe, durar mais que o outro.”
Anderson

"Espero que este seja um sinal para que os Grand Slam mudem. Estar em quadra por essa extensão de tempo ... Eu realmente espero que se possa olhar para isso porque no fim você não se sente bem. Jogar naquelas condições foi duro para ambos. Agora, tenho de me recuperar o melhor que puder para a final."
Anderson, que esteve em quadra por mais de 21 horas neste torneio.

"Concordo com Kevin. Pessoalmente, acho que uma boa opção seria “12 iguais". Se ninguém conseguir definir antes iguais em 12, então, faz-se o tie-break. Acho que já demorou demais.”
Isner, concordando com Anderson que deve haver uma mudança na regra.

"Rafa e Djokovic, eles vão conseguir terminar hoje? Eles estão entrando em quadra às 20h15, ou coisa parecida. Nós ficamos lá por sete horas. Você sabe, é duro. Eu sou um proponente da mudança da regra, claro. Acho que precisa ser feito."
Anderson preocupado com a  outra semifinal, que iniciou tarde.

"100% que eu erraria aquele smash. Meu técnico Ryan vinha dizendo como era ruim meu smash, meu trabalho de pés. Não sei como consegui, devo ter batido na madeira ou em algo."
O britânico Jack Draper, de 16 anos, sobre o smash que o colocou na final juvenil, derrotando o colombiano Nicolas Mejia por 7/6 (5), 6/7 (6) e 19-17.

"Acho que nada pode realmente te preparar para esse tipo de jogo como juvenil. Não consigo sentir minhas pernas.”
Draper, sobre ter disputado uma partida de 4h24 minutos.

"Tiro meu chapéu para ele, torço por ele em Wimbledon. Gostaria de vê-lo jogar a final, então no domingo nós dois teríamos um grande dia. Somos seres humanos e temos de tentar esquecer a história. Para mim, Nole é um fantástico atleta e uma pessoa fantástica. Desejo a ele toda a sorte do mundo."
Ivan Rakitic, meio-campista da Croácia, sobre o tenista sérvio que revelou que iria torcer pela Croácia na semifinal contra a Inglaterra pela Copa do Mundo. Os dois países sofreram com a guerra civil há alguns anos e Djokovic foi criticado por um político de seu país ao tornar público que torceria pelo antigo país rival.

Comentários