Notícias | Dia a dia | Wimbledon
Serena garante que ainda lutará por títulos de Slam
14/07/2018 às 16h23

Serena precisa de mais um título de Grand Slam para igualar recorde de Margaret Court

Foto: Divulgação

Londres (Inglaterra) - Apesar da derrota na final de Wimbledon, Serena Williams encerra sua participação no Grand Slam britânico com o pensamento positivo. A veterana de 36 anos disputava apenas seu quarto torneio desde o nascimento da filha, Alexis Olympia, em setembro do ano passado, venceu seis jogos seguidos e só seria superada pela também ex-número 1 do mundo Angelique Kerber na decisão.

"Acho que essas duas semanas realmente me mostraram que eu posso competir. Posso ser competitiva durante o longo caminho de um Grand Slam e posso ser um candidata a vencer Grand Slam", disse Serena após a derrota por duplo 6/3 para Kerber na final disputada neste sábado.

"Eu sempre entro em um torneio apenas pensando em fazer o meu melhor. Neste torneio em particular, eu entrei apenas querendo ganhar algumas partidas. Eu fui ganhando e isso continuou acontecendo. Foi uma pequena surpresa para mim e também foi super encorajador saber que posso competir e me sair bem", acrescenta a ex-líder do ranking.

"Essas duas semanas foram muito duras do ponto de vista mental. Eu estava sempre lutando por cada partida e fiz o melhor que pude em todos os jogos que joguei", disse a heptacampeã, que disputou sua décima final de Wimbledon e a trigésima em Grand Slam. "Sinto que estou caminhando na direção certa. Eu dei um passo gigantesco em Wimbledon, mas minha jornada acabou de começar e tem que continuar".

Recordista de títulos de Grand Slam na Era Aberta com 23 conquistas, Serena buscava o 24º trorféu. A marca a igualaria à australiana Margaret Court, maior vencedora de Grand Slam em todos os tempos, considerando as fases amadora e profissional do esporte. No ranking, a norte-americana dará um salto do atual 181º lugar para a 29ª posição.

"Já estou identificando o que preciso melhorar, o que preciso fazer, o que fiz de errado, por que fiz errado e como posso fazer melhor. "Então, posso dizer a mim mesma: 'Ok, eu aprendi com as derrotas. Vamos ver como vai ser daqui para frente'", explica a norte-americana, que deverá voltar às quadras no final de julho, em San Jose, antes de jogar em Toronto, Cincinnati e no US Open.

Embora esteja ciente de que não teve uma boa atuação, Serena reconhece a superioridade de sua adversária. "Angelique jogou um tênis incrível desde o primeiro ao último ponto. Sinto que não estou no meu melhor nível e não me encontrei em quadra, mas isso não é desculpa. Kerber jogou melhor que eu e mereceu ser campeã de Wimbledon. Estou muito feliz e satisfeita por poder competir por um Grand Slam. Há alguns meses isso era impensável".

A heptacampeã também comentou sobre a mudança no horário da final, postergada em duas horas para o complemento da segunda semifinal masculina, entre Novak Djokovic e Rafael Nadal. "Isso não teve nenhum impacto. Era um mal necessário, e que precisava ser feito. Eles não terminaram o jogo e tinham que terminar. Não acho que a semifinal masculinas deveria ser depois da final feminia, porque o vencedor precisa voltar no dia seguinte. Se a situação fosse inversa, espero que eles teriam feito o mesmo".

Comentários