Notícias | Dia a dia | US Open
Federer afirma que US Open é sua prioridade este ano
25/08/2018 às 13h31

Federer tenta voltar a conquistar o Grand Slam norte-americano depois de uma década

Foto: Divulgação

Nova York (EUA) - Disposto a voltar a conquistar o US Open depois de dez anos, Roger Federer afirma que a busca pelo sexto título em Nova York é sua prioridade na temporada. Aos 37 anos, o suíço fará sua estreia na próxima terça-feira às 20h (de Brasília) contra o japonês de 22 anos e 177º colocado Yoshihito Nishioka.

"Isso significaria o mundo para mim", disse Federer, sobre a chance de voltar a vencer o torneio depois de uma década. "O US Open é uma prioridade ainda maior este ano. Não que não tenha sido no ano passado, mas Wimbledon era fundamental para mim".

Outra razão para Federer ter mais confiança no título em 2018 em relação à edição passada é o fato de o suíço não poder jogar em suas melhores condições em 2017, quando lidava com uma lesão nas costas. "Não me sentir 100% no ano passado foi difícil. Eu sabia desde o começo que não seria possível vencer.

"Tudo teria que se encaixar para mim. Os caras teriam que abandonar ou jogarem as piores partida de suas vidas contra mim, e talvez então eu tivesse uma chance. Mas nas fases finais de de um torneio, não é mais viável", avalia o suíço, que caiu nas quartas de final no ano passado.

Pentacampeão do US Open entre 2004 e 2008, Federer chegou a vencer 41 jogos seguidos no Grand Slam americano até a derrota na final de 2009. Desde então, o suíço até alcançou mais uma final em 2015, mas nunca mais conquistou o título.

"Por um longo período, eu tinha todas as respostas para todos os meus adversários e para todas as condições, com vento, noite dia. Eu também era o número 1 do mundo na época. Acho que é por isso que raramente tive torneios ruins aqui em Nova York, porque gosto de jogar aqui. Acho que a velocidade da quadra é boa para mim. Estou feliz aqui. Minha experiência pessoal com os cinco seguidos foi inacreditável e estou muito orgulhoso dessa conquista".

O ex-líder do ranking disputou apenas um torneio preparatório, em Cincinnati, e acredita ter feito uma boa escolha de calendário. "Acho que o que eu fiz foi a coisa certa. Eu realmente acredito nisso. Acho que não estava nem perto de jogar meu o melhor em Cincinnati e ainda fazer uma final ainda é um bom resultado.

"A final não foi boa, eu não estava feliz com a forma como joguei, mas acho que o cansaço que levou a isso e Novak [Djokovic] também jogou bem. Então foi apenas uma partida que você quer esquecer. Mas foi um bom torneio para mim, e quando eu cheguei aqui, senti que estava pronto. Isso é o que conta para mim", avalia o vice-líder do ranking.

Embora as condições em Nova York sejam um pouco mais lentas que as do último torneio que disputou, Federer acredita que as quadras do Grand Slam americano são mais favoráveis para seu jogo. "Acho que em Nova York você tem uma sensação melhor [em comparação com Cincinnati]. As bolas são mais fáceis de controlar, o piso é um pouco mais lento. Então eu acho que, de modo geral, talvez a gente veja um tênis melhor aqui em Nova York".

Quer concorrer a um relógio Fossil? Clique aqui e palpite sobre quem vai vencer o US Open!

Comentários