Notícias | Dia a dia | US Open
Murray comemora volta aos Slam depois de 14 meses
28/08/2018 às 10h32

Murray ocupa atualmente a modesta 382ª colocação no ranking e luta para recuperar o terreno perdido

Foto: Pete Staples/USTA

Nova York (EUA) - Pela primeira vez desde Wimbledon, no ano passado, o britânico Andy Murray entrou em quadra para disputar um Grand Slam. Seu retorno aconteceu nesta segunda-feira no US Open e terminou com resultado positivo: uma vitória de virada por 3 sets a 1 contra o australiano James Duckworth com parciais de 6/7 (5-7), 6/3, 7/5 e 6/3.

“Jogar um Slam pela primeira vez em 14 meses foi uma ótima sensação e estou muito feliz por ter conseguido a vitória. Tive algumas coisas positivas, embora passar 3h17 em quadra tenha sido mais do que eu gostaria. Um ponto positivo é que me senti melhor do que esperava no final. É a primeira vez que eu jogo quatro sets em 14 meses, então tenho que esperar e ver como meu corpo irá se comportar”, observou o escocês.

Seu próximo obstáculo em Flushing Meadows será o espanhol Fernando Verdasco, contra quem jogou 15 vezes e só perdeu duas, a última delas no Australian Open de 2009. "Ele certamente testará minha movimentação. Ele tem um forehand poderoso e pode fazer o que quiser com esse golpe, pode acertar ângulos, bater mais reto ou até jogar bolas mais altas”, comentou o ex-número 1.

Murray falou também sobre a experiência de jogar no novo Louis Armstrong Stadium. “Gostei, acho que é um pouco mais fácil de jogar lá do que o antigo. Apesar de ainda ventar um pouco, ele é mais protegido do vento. Antes costumava ventar bastante e para todos os lados e agora ele tende a ir mais em uma mesma direção”, analisou.

“Há ainda um zumbido constante dos espectadores quando você está na quadra aqui e leva um tempo para se acostumar com isso. Em Wimbledon e muitos outros torneios há silêncio durante o jogo, mas aqui não, é realmente o caso. Demora um pouco para se acostumar, mas depois de cinco ou seis games você supera isso. Eu não me importo com o barulho durante os pontos e isso não acontece apenas aqui, acontece na maioria dos torneios”, finalizou o britânico.

Comentários