Notícias | Dia a dia
Cecchinato lembra com carinho vitória sobre Djokovic
10/10/2022 às 23h52

Italiano vem de título em Lisboa e estreia nesta terça no torneio no Rio

Foto: Luiz Candido / Luz Press

Rio de Janeiro (RJ) - Ex-número 16 do mundo, o italiano Marco Cecchinato vem se reerguendo em busca de voltar à boa fase de 2018, seu melhor ano da carreira, quando fez semifinal de Roland Garros derrotando Novak Djokovic nas quartas de final.

Nesta terça-feira, ele estreia diante do argentino Gonzalo Villanueva no Challenger ATP Dove Men+Care La Legíon, realizado pela Confederação Brasileira de Tênis na Rio Tennis Academy, no Rio de Janeiro, que pode ser um trampolim para o objetivo do atleta de 30 anos.

"Ganhei um challenger em Lisboa há duas semanas, estou confiante. Até o final do ano, quero jogar mais partidas e vamos ver o que acontece. Estou perto do top 100 e buscando jogar com a máxima concentração", disse o tenista, que recorda com carinho da façanha há quatro anos.

"Foi o melhor momento de minha carreira em 2018, quando venci o Novak Djokovic, agora tenho que pensar no presente. São lembranças que tenho sempre em minha mente e vou contar aos meus filhos", disse o experiente jogador, que está encantado com a estrutura da Rio Tennis. "Muitas vezes joguei o Rio Open, primeira vez aqui na academia, muito linda. Está tudo novo, academia, fisioterapia, quadra nova, estou gostando bastante."

O torneio no Brasil é o primeiro de uma série sul-americana que Cecchinato irá jogar em busca do objetivo de voltar aos 100 melhores e obter a vaga no Australian Open. "Meu físico está bem, estou vivendo um bom momento. Seguramente meu objetivo é vencer jogos, me falta muito pouco para voltar ao top 100. Quero ganhar muitos jogos até o fim do ano."

O Circuito Dove Men+Care La Legíon no Brasil é realizado e organizado pela Confederação Brasileira de Tênis, com patrocínio de Dove Men+Care, BRB, Unicesumar, Adega Online e Kallas Mídia OOH. Apoio da Associação Tênis RJ e rio Tennis Academy. O torneio conta com a chancela da ATP.

Comentários