Notícias | Dia a dia | US Open
Djokovic fala do calor e do alívio do banho de gelo
29/08/2018 às 18h56

Nova York (EUA) – Rosto avermelhado, cabelos ensopados de suor, bolsas de gelo penduradas no pescoço, esta foi a imagem de Novak Djokovic que representou o chocante sofrimento dos tenistas neste início de semana no Aberto dos Estados Unidos, tendo de jogar no mínimo dois sets (no caso das mulheres) e três sets (no caso dos homens). A temperatura nesta terça-feira atingiu os 33 graus centígrados, que somados à alta umidade do ar, quase 50%, transformaram as quadras em saunas, com sensação térmica de mais de 40°C.

Djokovic, sentado na sua cadeira, tirou a camiseta, bebeu muita água de sua garrafa e se enrolou em duas bolsas de gelo, mais outra pousada em seu colo. O sérvio já tinha disputado uma hora e meia da partida de estreia e já dava sinais de estar sentindo bastante o famoso calor do verão nova-iorquino, que foi até tema de um famoso filme de Marilyn Monroe, aquele da cena do vestido. Apesar do sufoco, Djokovic conseguiu vencer o húngaro Marton Fucsovics em quatro sets, com parciais de 6/3, 3/6, 6/4 e 6/0. ''Modo sobrevivência'', definiu Djokovic sobre as bolsas de gelo.

Foi uma provação para todos, tanto que seis jogadores foram obrigados a abandonar seus jogos, com seis deles citando a exaustão causada pelo calor como motivo. Diante desta situação, a federação americana, a USTA, decidiu dar 10 minutos de descanso antes do início do 4º set, medida que já é adotada no circuito feminino, antes do início do 3º set, em casos de calor extremo.

“Quero agradecer ao US Open por nos dar o descanso de 10 minutos. Marton e eu ficamos na banheira de gelo, pertos um do outro. Estávamos nus na banheira de gelo e foi uma sensação maravilhosa”, revelou Djokovic, arrancando risadas do público.

A situação vivida pelos jogadores e também pelo público levantou várias perguntas. ''No fim do dia, a ATP ou um monte de supervisores, eles estão sentados nos seus escritórios, onde há ar-condicionado, onde está legal. E nós temos de estar aqui fora. Eles nos dizem que está bem, não são eles que estão jogando', disse Alexander Zverev, quarto favorito, que teve a sorte de ganharm em sets diretos no início da noite, quando estava menos quente. ''Com certeza, a regra deve ser mais rigorosa. Deveria haver um certo limite de temperatura, certas condições em que não deveríamos jogar.''

Algumas jogadores resumiram o quanto calor estava. “Terrivelmente quente”, disse a inglesa Johanna Konta, duas vezes semifinalista em Grand Slam e que caiu diante da francesa Caroline Garcia por duplo 6/2. ''Brutal'', definiu  o croata Marin Cilic, campeão do torneio em 2014, que avançou graças ao abandono do adversário no 3º set. ''Realmente, não foi fácil', disse a alemã Angelique Kerber, três vezes campeã de Grand Slam, que derrotou Margarita Gasparyan por 7/6 (7/5) e 6/3.

''Terrível. Estava horrível lá fora', comentou o americano Tennys Sandgren, que venceu em três sets e é o adversário de Djokovic na segunda rodada. ''Não sei como os caras estão se aguentando lá. No 3º set, eu estava pensando: 'Isto está ficando realmente ruim. Não sei quanto vou ter de jogar.' E acho que todo mundo pensou de forma semelhante.''

Comentários