Notícias | Dia a dia | US Open
Djokovic confirma favoritismo e aguarda Federer
03/09/2018 às 17h16

Djokovic chega às quartas de final do US Open pela 11ª vez e busca a 33ª semi de Slam

Foto: Divulgação

Nova York (EUA) - Está cada vez mais perto de acontecer o anunciado duelo entre Novak Djokovic e Roger Federer nas quartas de final do US Open. O sérvio foi o primeiro a confirmar vaga nesta fase e fica à espera do suíço, que joga à noite. Djokovic avançou em Nova York ao vencer o português João Sousa por 6/3, 6/4 e 6/3 em 1h59 de partida. Foi a quinta vitória do ex-número 1 contra Sousa, para quem nunca perdeu um set sequer.

Esta é a 11ª vez que Djokovic chega às quartas de final no US Open. O sérvio chegou a disputar dez semifinais seguidas entre 2007 e 2016, com direito aos títulos de 2011 e 2015 e outros cinco vice-campeonatos. O experiente jogador de 31 anos tenta alcançar a 33ª semifinal de Grand Slam da carreira.

Sem resultados a defender até o final do ano, já que não atuou em todo o segundo semestre de 2017 por lesão no cotovelo direito, Djokovic já garantiu 360 pontos pela campanha até as quartas de final em Nova York. O ex-número 1 do mundo iniciou o Grand Slam americano no sexto lugar e pode terminar o torneio na terceira posição.

Caso Roger Federer confirme o favoritismo na partida contra o australiano John Millman no complemento da rodada desta segunda-feira, o sérvio e o suíço irão protagonizar o 47º duelo da história da rivalidade, que é a segunda com o maior número de confrontos na Era Aberta. Djokovic lidera o histórico contra Federer por 24 a 22 e levou a melhor nos últimos três encontros. Caso Millman surpreenda o número 2 do mundo, o australiano de 29 anos e 55º do ranking terá também que superar o sérvio, para quem perdeu no único duelo anterior.

Eliminado nas oitavas, João Sousa fez sua melhor campanha em um Grand Slam. Mais que isso, o português de 29 anos e 68º colocado tornou-se o primeiro atleta de seu país a atingir a segunda semana de um torneio deste porte. Vencedor de três títulos de ATP, Sousa ainda está distante do melhor ranking da carreira, que foi o 28º lugar alcançado em maio de 2016.

Mais uma vez, a organização do US Open colocou em vigor a política do calor extremo nesta segunda-feira. Mesmo jogando na sombra do Arthur Ashe, os jogadores encararam sensação térmica de 37 graus, além de sofrerem também com a umidade. O sérvio precisou até mesmo de um atendimento médico fora de quadra no início do terceiro set.

O primeiro set foi muito tranquilo para Djokovic, que disparou cinco aces, não enfrentou break points e só perdeu seis ponto em seus games de serviço. Com um backhand pouco confiável para tentar equilibrar as trocas contra o sérvio, o português dependia muito de um bom desempenho no saque e acabou permitindo uma quebra logo no começo do jogo. O sérvio seguia pressionando o saque do adverário com devoluções profundas e uma passada desconcertante de backhand para voltar a quebrar.

No começo do segundo set, Djokovic perdeu um pouco da precisão e da calma. Sousa começou o game de devolução com bom ataque cruzado no backhand e depois o sérvio só cometeu erros, incluindo um smash de fundo de quadra e uma dupla falta final para perder o saque pela primeira vez. Mas nem a quebra deu a confiança necessária ao português, que errou duas seguidas e cedeu o empate de imediato.

A parcial seguiu equilibrada e o lado emocional fez a diferença. Com o placar empatado por 4/4, Djokovic conseguiu confirmar o serviço em um game difícil, jogando muito bem em dois pontos de extrema importância. Logo depois, o sérvio tentou prolongar os pontos e fazer o adversário jogar sempre uma bola a mais. Sousa se apressou e acabou cometendo erros que custaram a perda do set.

Com dois sets de vantagem e liderança por 2/1 na terceira parcial, Djokovic foi atendido por três minutos no vestiário para um problema médico. Na volta, o sérvio não dava sinal de limitações e foi mantendo o saque. O ex-número 1 não enfrentou break points no último set e cedeu apenas oito pontos em seus games de serviço. A decisiva quebra aconteceria de zero, no oitavo game, com o bicampeão do torneio confirmando a vitória no saque logo depois.

Comentários