Notícias | Dia a dia | US Open
Djoko sente desgaste, é exigido, mas espanta 'zebra'
06/09/2018 às 01h01

Djokovic disputará sua 11ª semifinal seguida no Grand Slam norte-americano

Foto: Divulgação

Nova York (EUA) - Apenas dois dias depois de o australiano John Millman eliminar Roger Federer do US Open, o algoz do suíço tinha a missão de parar Novak Djokovic nas quartas de final. O jogador de 29 anos e 55º fez novamente um bom papel e foi competitivo, em mais uma noite com condições climáticas adversas, mas o sérvio espantou a 'zebra' e marcou as parciais de 6/3, 6/4 e 6/4 em 2h47 de uma longa partida. Apesar dos sets diretos, Djokovic precisou de vinte break points para conquistar suas quatro quebras de serviço.

Djokovic disputará a 33ª semifinal de sua carreira e a 11ª seguida em Nova York, onde já foi campeão nos anos de 2011 e 2015, além de ficar com o vice-campeonato em outras cinco oportunidades. Vencedor de 13 títulos de Grand Slam na carreira, o sérvio de 31 anos está a uma vitória de alcançar a 23ª final em torneios deste porte.

Para alcançar a final de número 102 na elite do circuito profissional, Djokovic enfrentará o japonês Kei Nishikori. O sérvio tem 14 vitórias e apenas duas derrotas contra o rival de 28 anos, ex-top 10 e atual 19º colocado. Entretanto, foi Nishikori quem venceu o único duelo entre eles em Nova York, na semifinal de 2014.

Sem pontos a defender até o final do ano, já que não atuou durante todo o segundo semestre de 2017 por lesão no cotovelo direito, Djokovic segue recuperando terreno no ranking. Com os 720 pontos já garantidos, o ex-número 1 do mundo e atual sexto colocado já ganha mais duas posições. Ele pode até terminar o Grand Slam americano na terceira posição do ranking em caso de título.

Em um começo de jogo marcado por muitos ralis longos, Djokovic mostrava maior capacidade de definição dos pontos, diante de um rival que se defendia bem, mas não encontrava meios de concluir as jogadas. Dessa, o sérvio conquistou uma quebra precoce e abriu 3/0. Com aproveitamento de primeiro saque que chegou aos 80% em meados do set, e que terminou com 71%, Djokovic vinha sendo pouco exigido em seus games de serviço até salvar um break point no momento em que sacava para fechar. O set inicial durou 60 minutos, já que o australiano exigiu dezenas de trocas e raramente deu um ponto rápido.

Logo no game de abertura do segundo set, Millman confirmou o serviço depois de salvar quatro break points e ganhou a simpatia do público. Já naquele momento, Djokovic dava mostras de estar sentindo muito o desgaste físico. O calor nem era tão grande, com 26 graus, mas a umidade beirava os 80%. O sérvio tentou diminuir a duração dos pontos, fosse com saque e voleio, curtinhas ou buscando os winners mais cedo.

Um momento incomum da partida aconteceu quando o placar estava empatado por 2/2. Ao mesmo tempo que Millman pediu para sair de quadra e ir ao vestiário para trocar de roupa por conta do suor excessivo, a equipe de Djokovic enviou por meios dos boleiros um frasco de remédios e uma bebida para repor suas energias. A arbitragem também solicitou a secagem do piso da quadra, cumprindo o regulamento da ITF.

Depois de interrupção, Millman voltou firme e confirmou o saque com rapidez. Na virada de lado, o sérvio aproveitou para colocar gelo no pescoço e cabeça e consumiu sua medicação. Apesar de todos os incidentes, o desempenho de Djokovic no saque seguia exemplar. O ex-número 1 do mundo não enfrentou break points durante o set e cedeu só seis pontos em seus games de serviço. A decisiva quebra aconteceria apenas na oitava oportunidade do penúltimo game da parcial.

Com dois sets de vantagem, Djokovic quebrou logo no começo da terceira parcial e parecia encaminhar a vitória. A sensação ficou ainda maior porque o sérvio ainda teve dois break points quando já vencia por 3/1, mas o australiano encaixou bolas corajosas e saiu vibrando para o banco, para mostrar que ainda acredita nas suas chances. No game seguinte, Djokovic levou duas advertências por exceder o tempo regulamentar para colocar a bola em jogo. Resultado das punições: Uma dupla falta e um erro não-forçado num ponto em que teve de jogar com o segundo saque e falhou num forehand. Millman devolveu a quebra e depois confirmou de zero.

Quando parecia que o sérvio poderia sair completamente do jogo, a pausa na virada de lado veio em boa hora. Na volta, o bicampeão já havia recuperado o foco para vencer dois games seguidos jogando um belíssimo tênis. Ao sacar para o jogo, confirmou de zero para sacramentar a difícil vitória. O sérvio liderou a estatística de bolas vencedoras por 29 a 24, mas também cometeu 53 erros não-forçados contra 46 de seu adversário.

Comentários