Notícias | Dia a dia | US Open
Osaka diz que celebrou mais as quartas do que a semi
06/09/2018 às 10h39

Nova York (EUA) - Semifinalista pela primeira vez em um Grand Slam, a japonesa Naomi Osaka revelou uma curiosa sensação depois de passar pela ucraniana Lesia Tsurenko com arrasador duplo 6/1 e se garantir entre as quatro melhores do US Open. A tenista de 20 anos disse que ficou mais tocada em chegar às quartas de final do que ao alcançar a fase seguinte.

“Chegar às semifinais significa muito, mas acho que fiquei mais emocionada quando alcancei às quartas, algo que era uma meta antes de cada Grand Slam. Depois disso, senti que precisava manter o foco para poder vencer de novo e seguir avançando”, comentou a atual 19 do mundo, que também nunca havia ido, até então, às quartas em um Slam.

Vivendo grande momento em Flushing Meadows, Osaka cedeu apenas 22 games nos cinco jogos que fez. “Sinto que alcancei um estado de espírito importante, que me trouxe até aqui. Não sinto pressão. Em Indian Wells eu estava meio distraída quando estava ganhando, mas agora está mais fácil e consigo fechar o jogo mais rápido”, falou a japonesa, campeã de Indian Wells neste ano.

“Sempre achei que se fosse vencer um Grand Slam, seria primeiro no US Open, que foi o primeiro que eu vi na televisão. Achei incrível toda sua atmosfera”, observou Osaka, que cresceu em Long Island quando criança antes de se mudar para a Flórida. Sua adversária nas semifinais será a norte-americana Madison Keys, atual vice-campeã do torneio.

Derrotada facilmente pela japonesa, Tsurenko explicou que não estava bem fisicamente e por isso não conseguiu ao menos endurecer a partida e acabou facilmente dominada. “Acordei com um problema viral, minha garganta não está boa e não consigo respirar direito. Odeio situações assim, em que você está diante de um grande público e infelizmente não consegue jogar”, lamentou a ucraniana.

Comentários