Notícias | Dia a dia | US Open
Serena busca recordes, Osaka tenta 1º Slam do Japão
08/09/2018 às 09h45

Osaka levou a melhor no único duelo anterior contra Serena, no início do ano, em Miami

Foto: Divulgação

Nova York (EUA) - Quem vencer a final feminina do US Open, marcada para às 17h (de Brasília) deste sábado, certamente fará parte de um capítulo importante da história do tênis. Enquanto a anfitriã e veterana de 36 anos Serena Williams busca mais recordes para sua vitoriosa carreira, a jovem japonesa de 20 anos Naomi Osaka pode garantir o primeiro título deste porte para seu país.

O único duelo anterior entre elas foi disputado em março deste ano, com vitória de Osaka. A jovem japonesa vinha embalada pelo título do forte Premier de Indian Wells na semana anterior, quando havia derrotado a número 1 do mundo Simona Halep e mais duas ex-líderes do ranking Maria Sharapova e Karolina Pliskova. Por sua vez, Serena ainda sentia a falta de ritmo e disputava apenas o segundo torneio depois da gravidez e do nascimento da filha Alexis Olympia, em setembro do ano passado.

Recordista de títulos de Grand Slam na Era Aberta com 23 conquistas, Serena tenta igualar os 24 troféus da australiana Margaret Court, maior vencedora em todos os tempos, considerando também a fase amadora do esporte. Será a 31ª final de Slam na carreira de Serena, sendo a segunda consecutiva, já que ela foi vice-campeã na grama de Wimbledon em julho.

Com seis títulos no US Open, Serena está empatada com Chris Evert entre as maiores vencedoras do Grand Slam norte-americano na Era Aberta, sendo que Evert venceu três edições no saibro. Em todos os tempos, as recordistas são Molla Bjurstedt Mallory com oito títulos e Helen Wills Moody com sete conquistas. A norte-americana volta à decisão quatro anos depois de seu último título. Nos anos de 2015 e 2016, a anfitriã perdeu na semifinal. Já no ano passado, sua filha havia acabado de nascer.

Um recorde que já pertence a Serena e pode ser suplantado é o de jogadora mais velha a vencer um Grand Slam, aos 36 anos e 349 dias. A marca anterior foi estabelecida no Australian Open de 2017, com 35 anos e 125 dias. Ela também é a campeã mais velha do US Open, com o título de 2014 aos 32 anos e 330 dias. Serena também pode se tornar a quarta mãe a vencer um Grand Slam na Era Aberta, igulando-se à própria Court, além de Evonne Goolagong e Kim Clijsters. O US Open é apenas o sétimo torneio disputado por ela desde o nascimento de sua filha.

Por sua vez, Osaka já faz história como a primeira mulher japonesa na final de simples em um Grand Slam. Antes disso, as melhores campanhas obtidas por suas compatriotas foram as semifinais Kazuko Sawamatsu no Australian Open de 1973 e de Kimiko Date, que chegou à penúltima rodada do Australian Open de 1994, de Roland Garros em 1995 e de Wimbledon em 1996. Nascida em outubro 1997, Osaka sequer pôde assistir à melhor fase de Kimiko, que só se despediu do circuito na temporada passada, aos 46 anos.

Em momentos distintos de suas carreiras, Serena e Osaka darão um salto no ranking depois do US Open. A ex-número 1 do mundo iniciou o Grand Slam americano na 26ª posição do ranking mundial e já garantiu a volta ao top 20 com os 1.300 pontos obtidos. Ela sobe para o 16º lugar do ranking com a vaga na final e pode saltar à 11ª posição se for campeã e receber 2 mil pontos. Por sua vez, a atual 19ª colocada Osaka, certamente terá seu recorde pessoal. Ela está subindo para o 12º lugar com a vaga na final e pode debutar no top 10 e alcançar a sétima posição em caso de título.

Confira o histórico do confronto entre Serena e Osaka.

2018
Miami (Sintético) - Primeira rodada - Osaka, 6/3 6/2

Comentários