Notícias | Dia a dia | US Open
Vaias e lágrimas na premiação. Veja como foi.
08/09/2018 às 21h34

Nova York (EUA) – Podia ter sido uma comemoração mais alegre, caso o incidente entre Serena Williams e o árbitro Carlos Ramos não tivesse tirado o brilho da final feminina do Aberto dos Estados Unidos. Achando-se injustiçada pela penalidade que sofreu, a norte-americana perdeu os nervos e chegou a quebrar uma raquete. Naomi Osaka não se desconcentrou com o incidente e fechou a partida em dois sets, tornando-se a primeira japonesa, homem ou mulher, a conquistar um título de Grand Slam.

Depois que o jogo terminou e Naomi foi festejar com sua família e equipe, as duas jogadoras se reuniram no centro da quadra para a cerimônia de premiação, que em seu início teve vaias de parte do público.

O mestre de cerimônias Tom Rinaldi, da ESPN, começou a conversa com Serena. Quando perguntada sobre a partida, a norte-americana respondeu que não queria responder a perguntas. “Apenas quero dizer a vocês que Naomi jogou. Este é seu primeiro Grand Slam. Sei que vocês estavam torcendo e eu estava também, mas vamos fazer deste o melhor momento que pudermos e seguir adiante. Mas vamos dar a cada um o crédito devido e não vamos mais vaiar. Vamos superar isso e vamos ser positivos. Parabéns, Naomi. Nada mais vaias”, pediu a ex-número 1 do mundo. Ela então agradeceu a sua equipe, os espectadores e voltou a seu lugar.

Rinaldi virou-se, então, para Naomi Osaka e fez algumas perguntas à jovem de apenas 20 anos. Ela também não comentou a partida. “Sei que todos estavam torcendo por ela e eu sinto que o fim tenha sido assim”, disse, praticamente sentindo-se culpada por algo que não devia. “Apenas quero agradecer por assistirem à partida, obrigada.” O mestre de cerimônias fez outra pergunta e Osaka respondeu: “Sempre tive o sonho de jogar contra Serena no US Open, então, estou realmente feliz de ter sido capaz disso.” Timidamente, mostrando seu lado nipônico de ser, Naomi virou-se para Serena. “Estou realmente feliz de ter jogado com você. Obrigada”, disse, curvando-se ligeiramente, à moda japonesa.

Comentários