Notícias | Dia a dia | US Open
Wild realiza sonho e se foca agora no profissional
09/09/2018 às 21h19

Thiago Wild teve campanha exemplar no US Open e já está entre os top 500 do ranking profissional

Foto: Site oficial

Nova York (EUA) - O paranaense Thiago Wild entrou para a história do tênis brasileiro neste domingo ao se tornar o primeiro juvenil a conquistar o US Open e o segundo a levantar um troféu de Grand Slam. Com uma campanha notável, que inclui vitória sobre o atual número 1 do mundo, ele disputava seu último torneio nessa faixa etária. Na final, superou o italiano de 16 anos Lorenzo Musetti, 18º do ranking, por 6/1, 2/6 e 6/2.

"Era um sonho de criança vencer um Grand Slam e poder estar com meu nome nos grandes torneios e foi acontecer na minha última chance", afirmou o tenista de 18 anos nascido em Marechal Cândido Rondon, que havia chegado à semifinal de Roland Garros, em junho. "Essa conquista não muda nada para mim, tenho que seguir na mesma linha de trabalho, seguir na mesma pegada. Pode ser que algumas portas se abram e, termos de patrocínio e mídia, mas isso não vai mudar minha cabeça. Meu foco é no profissional, atingir objetivos de ser um dos melhores do mundo".

Atleta do Instituto Tennis Route, do Rio de Janeiro, ele tem uma série de apoios como Itaú, Rede, CBT/Correios, Asics e Wilson. "Minha equipe me apoia desde meus 14 anos, principalmente com meus técnicos Arthur Rabelo, João Zwetsch, Duda Matos, o preparador físico Alex Matoso, além do Carlão (Costa) que está aqui também".

A campanha de Thiago inclui vitória contra o número 1 do mundo, o taiwanês Chun Tseng, na semifinal marcando 6/2 e 6/4. Tseng estava invicto desde a derrota na final do Australian Open. Havia conquistado Roland Garros e Wimbledon na sequência. Wild começou a série derrotando o americano Zane Khan, 107º, por 6/7, 6/1 e 6/3. Na segunda rodada, superou o tcheco Jiri Lehecka, 29º colocado, por 6/4 e 6/2; nas oitavas bateu o britânico Aidan McHugh, 33º, por 6/4 e 6/1; e no mesmo dia superou o japonês Taisei Ichikawa, 54º, por 7/6 (7/3) e 6/4 nas quartas de final.

"O mais fez Thiago ir tão bem foi a capacidade de se ordenar mentalmente, não perder o foco, ficar com o que ele tinha o que fazer", analisou o técnico Rabelo. "Hoje foi mais difícil, ele sentiu uma tensão no segundo set, é normal ter uma queda. Ele se assustou um pouco, mas depois conseguiu voltar".

Wild retorna ao Rio de Janeiro nesta segunda-feira e nos próximos dias inicia preparação para uma série de challengers pela América Latina no final do mês. Ele possui um título de nível future em São José do Rio Preto e um vice em Curitiba, aparecendo entre os 500 melhores do ranking profissional no momento.

Comentários