Notícias | Dia a dia
Para Wozniacki, mentalidade vencedora faz a diferença
08/10/2018 às 17h48

Dinamarquesa acumula 30 títulos e terminará oitavo ano no top 10

Foto: Divulgação

Pequim (China) - Depois de conqusitar o WTA Premier de Pequim, Caroline Wozniacki falou sobre como tem feito para se manter entre as melhores jogadoras do mundo durante tanto tempo. Número 2 no ranking mundial, a dinamarquesa terminará a 11ª temporada seguida entre as vinte melhores do mundo e a oitava no top 10.

"Você tem que ter paixão pelo esporte e uma mentalidade vencedora", disse Wozniacki depois de vencer a letã Anastasija Sevastova no último domingo. "E precisa estar disposta a trabalhar duro, porque haverá jogadoras que são mais talentosas do que você, que têm um forehand melhor ou um backhand melhor".

"Acho que o lado mental faz muita diferença, especialmente em um esporte individual. Tudo gira sobre como você lida com as situações de pressão, quando você tem uma vantagem ou está perdendo", acrescentou a ex-líder do ranking, que disputará o WTA Finals pela sexta vez na carreira daqui a duas semanas.

Esta foi a segunda vez que Wozniacki foi campeã em Pequim, sendo que a primeira foi ainda em 2010, durante a campanha que a levou ao topo do ranking pela primeira vez na carreira. Muita coisa mudou desde então para a própria Wozniacki e para o torneio chinês, que inaugurou o Estádio Nacional de Tênis apenas no ano seguinte ao do primeiro título da dinamarquesa.

"A última vez foi diferente. Eu tinha só 20 anos, tinha me tornado a número 1 do mundo aqui pela primeira vez. Eles ainda não tinham esse estádio. Foi em outro estádio que eu joguei", que disputou uma de suas partidas este ano na Lotus Court, que agora é a seguda quadra do complexo. "Muita coisa aconteceu desde então. Eu realmente aprecio ainda estar aqui, jogando bem, sendo capaz de ganhar esses títulos. Isso realmente significa muito para mim".

Com seis vitórias seguidas durante a semana, Wozniacki sente que cresceu ao longo do torneio, especialmente depois de superar a estoniana Anett Kontaveit nas oitavas. Ela também derrotou Belinda Bencic, Petra Martic, Katerina Siniakova e Qiang Wang antes da final contra Sevastova.

"Não me sentia muito bem no começo do torneio, para ser honesta. Mas acho que após o segundo jogo eu comecei a sentir que estava batendo bem na bola e pude também ver a bola muito bem. Na terceira partida, acho que joguei muito bem, e então eu comecei a acreditar que estava realmente em boa forma".

A conquista do último domingo também foi especial para a dinamarquesa, que comemorou seu 30º título na elite do circuito. "Estou feliz por ter chegado a 30 hoje e vou aproveitar isso. Quando criança, eu tinha o sonho de me tornar uma tenista profissional e ser a número 1 do mundo. Então, depois do número 1, eu queria ganhar um Grand Slam e depois queria levantar mais troféus. Ter feito tudo isso é incrível. Tenho uma grande família e amigos que me apoiaram durante todo o caminho. Mesmo quando às vezes duvidei, eles sempre acreditaram em mim".

Campeã do Australian Open em janeiro, Wozniacki aparece atualmente no segundo lugar do ranking da WTA e na terceira posição na lista que considera apenas os resultados da atual temporada. Embora tenha reduzido para 931 pontos a diferença para a atual número 1 Simona Halep, a dinamarquesa não deverá disputar a liderança do ranking este ano. Isso porque ela é a atual campeã do WTA Finals em Cingapura e terá 1.375 a defender no torneio entre as oito melhores do ano.

Comentários
Loja TenisBrasil
Mundo Tênis