Notícias | Dia a dia | Australian Open
Desempenho no saque anima Federer na estreia
14/01/2019 às 13h32

Federer sequer enfrentou break points nesta segunda-feira

Foto: Divulgação

Melbourne (Austrália) - Depois de marcar uma tranquila vitória em sua partida de estreia no Australian Open, Roger Federer destacou o bom desempenho nos games de saque contra o uzbeque Denis Istomin. O suíço sequer enfrentou break points na vitória por 6/3, 6/4 e 6/4, obtida em 1h57 de partida nesta segunda-feira.

"Eu estava batendo muito bem na bola, acho que eu protegi bem o meu saque e não permiti que Denis entrasse nos games de serviço com muita frequência", disse Federer após a partida. "Eu também estava sempre na liderança, e obviamente isso ajuda, e eu pude jogar um pouco mais solto. Estou muito feliz com minha estreia, para ser honesto. Foi ótima. Senti a bola muito bem".

"Acho que comecei a sentir que no meio do primeiro set já seria difícil para Denis pressionar os meus jogos de serviço. Isso te relaxa da linha de base", acrescenta o suíço, que disparou 14 aces, venceu 83% dos pontos com seu primeiro serviço e liderou a contagem de winners por 52 a 22. Federer enfentará o britânico Daniel Evans na próxima rodada.

No raro momento em que um game de saque do suíço chegou a 40-iguais, Federer recorreu ao saque e voleio. O suíço também falou sobre as razões de não ter utilizado tanto esse recurso na partida. "Estou me sentido bem na rede. Acho que sempre depende de contra quem você está jogando, dependendo de como eles devolvem é melhor ou não jogar assim contra certos jogadores".

"Hoje não senti o desejo de tentar o saque e voleio. Pela forma como Denis devolve talvez seja perigoso. Eu só fiz isso em tempos seletivos. Vamos ver contra quem eu jogo para saber se posso usar, mas fico feliz por ter essa carta na manga", explicou o veterano de 37 anos, que lembra ter utilizado o recurso também na partida contra Alexander Zverev na Copa Hopman.

"Eu usei muito saque e voleio contra o Zverev, basicamente durante toda a partida na Copa Hopman. Eu sinto que estou indo muito bem. Eu me sinto muito confortável na rede. Acho também que jogar as duplas mistas ajudou porque eu joguei o tempo todo com saque e voleio e gastei muito tempo na rede".

Assim como aconteceu na entrevista de Rafael Nadal, Federer foi perguntado sobre as recentes queixas de jogadores de ranking mais baixo ao presidente da ATP Chris Kermode. O espanhol havia criticado a postura do conselho de jogadores, citando que nenhum representante dos atletas o procurou para discutir o assunto.

"É difícil, especialmente durante o período de pré-temporada, manter contato com todos. O problema com Rafa, também, é que ele esteve longe por causa de uma lesão no final do ano", disse o suíço, ao lembrar que o espanhol estava sem jogar desde setembro. "Como ele não estava por perto, então alguém tem que ligar para ele. E para alguém ligar para o Rafa, sempre soa um pouco como, 'eu não quero incomodar o cara'. Acho que é complicado, mas alguém precisa falar com ele, sem dúvida. É para isso temos representantes dos jogadores".

"Eu também quero falar com Rafa agora que ele está de volta ao circuito. Estamos aqui e jogamos nos mesmos dias. Eu gostaria de encontrá-lo em um dia de folga e ouvir suas opiniões. É bom ver que ele se importa, independentemente de ser positivo ou negativo. Eu acho que é sempre bom quando os jogadores top se importam", comenta o terceiro colocado no ranking mundial, que já fez parte do conselho, que hoje é presidido por Novak Djokovic e Kevin Anderson.

"Eu estava no conselho com ele. Eu me dou bem com Rafa e também com Novak. Eu só quero ver como podemos mover o esporte para a direção certa, avançando. Não que haja qualquer falta de comunicação e grupos sendo construídos. Eu não sei exatamente o que está acontecendo a esse respeito. Olha, é um grande momento de tomada de decisão agora. Eu acho que é importante que Rafa, Novak e eu nos encontremos".

Comentários