Notícias | Dia a dia | Australian Open
FRASES: o que se comenta em Melbourne
14/01/2019 às 17h13

"Sinceramente, tenho adorado jogar aqui nestes anos todos. É um lugar estupendo para se jogar. Se esta foi minha última partida, é uma forma estupenda de terminar. Eu dei literalmente tudo de mim, mas não foi o bastante esta noite."
Murray, depois de cair na estreia diante do espanhol Roberto Bautista Agut em cinco sets.  

“Me ter como técnica não foi uma coisa de Relações Públicas. Era uma convicção profunda que vinha de sua educação, de sua mente aberta. Ele não tem medo de sua sensibilidade; ao contrário. Para mim, ele tem sido subestimado como homem, não como tenista.”
Amélie Mauresmo, técnica de Andy Murray de 2014 a 2016.

“Não está interessante hoje?”
Nadal notando um jornalista dormindo durante a entrevista coletiva.

“Não há tempo para isso, lamento dizer. Não quando se está jogando a primeira rodada de um Grand Slam."
Sharapova respondendo se sentiu pena pela ‘bicicleta’ que aplicou na jovem qualifier britânica Harriet Dart, que deixou a quadra em lágrimas.

"Foi um bom teste para minha perna, para meu ombro. Ainda estou trabalhando com dor em alguns dias, mas fiz as coisas certas hoje para vencer."
Sharapova feliz com sua atuação.

“Fiquei surpresa com sua consistência. Ela jogou extremamente bem. Não foi fácil, estou feliz de ter ganhado. Ela me surpreendeu no começo com um par de deixadas, especialmente quando ela estava atrás da linha de fundo e eu não estava esperando por isso. Então, fiquei mais alerta.”
Wozniacki, atual campeã do Aberto da Austrália, elogiando a belga Alison Van Uytvanck, de 24 anos, 52ª do ranking.

“Esqueci que era a primeira vez. É muito duro voltar (ao jogo) porque você acabou de relaxar, pensando que havia ganhado o jogo. Acho que fiz isso realmente bem e estou orgulhosa. A juíza me avisou no 6/6, mas estava tão concentrada em mim que não processei a informação. Posso rir disso agora, conheço a regra agora, com certeza não vai acontecer de novo.”
Katie Boulter, nº 2 britânica, que festejou a vitória antes da hora quando atingiu 7/4 no supertie-break. Ela vai enfrentar a seguir a bielorussa Aryna Sabalenka, cabeça 11.

“ ’Eu consigo olhar para cima agora!’ Está praticamente normal. Estou muito feliz por isso. A gente não percebe o quanto usa o pescoço até que não possa usá-lo.”
Johanna Konta, que estreia nesta terça em Melbourne.

Comentários