Notícias | Dia a dia
Murray poderá ajudar LTA após aposentadoria
16/01/2019 às 22h56

Bi de Wimbledon, Murray pode ajudar a desenvolver novos talentos.

Foto: Arquivo

Londres (Inglaterra) – A “The Lawn Tennis Association”, a federação britânica, deve convidar Andy Murray para trabalhar com ela quando encerrar a carreira. A revelação foi feita nesta quarta-feira em entrevista exclusiva ao “Telegraph Sport” por Scott Lloyd, novo chefe executivo da federação, e Simon Timson, diretor de performance da entidade, quando detalharam um amplo plano de estratégias para o desenvolvimento de seus jogadores no prazo de 10 anos.

Mas uma meta mais imediata é colocar cinco novos britânicos no top 100 até 2023. Dois centros residenciais nacionais vão abrir em setembro para desenvolver jovens promissores com idade entre 14 e 18 anos. Para aumentar a presença do tênis entre os esportes tradicionais no país, a LTA investe em inovações como um aplicativo que facilitaria o acesso a quadras e adversários, em novas competições comunitárias e em um importante programa, que já recebeu 4 milhões de libras em investimento, que pretende garantir que ninguém esteja a mais de 30 minutos de uma quadra indoor.

Judy Murray havia pedido por um legado permanente para marcar o sucesso dos filhos Andy e Jamie e está esperando para ver se a LTA irá ajudar a financiar um centro de tênis e golfe em Dunblane, cidade natal de Andy. Lloyd conhece a família Murray há anos. “Todos queremos a mesma coisa: aproveitar as conquistas incríveis de Andy e garantir que seu êxito tenha um legado de sucesso”, disse o chefe executivo  Lloyd. “Tivemos ótimas conversas com a equipe de  Andy’ e Judy, particularmente sobre como poderíamos desenvolver um programa escolar.”

Timson, diretor de performance, vê com bons olhos o envolvimento de Murray no desenvolvimento de jogadores de elite. “Ele já apoia alguns dos nossos jogadores de diferentes maneiras. Ele é um grande trunfo, assim como Judy e Jamie. Nós sempre daremos as boas-vindas ao envolvimento de Andy com programas e jogadores. Ele é uma figura icônica e inspiradora. Nos primeiros cinco anos, queríamos apoiar cinco jovens britânicos a ingressar no top 100. Katie Boulter já conseguiu. Queremos ajudar outros quatro até 2023.”

Comentários
Raquete novo
Mundo Tênis