Notícias | Dia a dia | Australian Open
Djokovic vence fácil e confirma duelo com Nadal
25/01/2019 às 08h11

Djokovic cometeu apenas cinco erros não-forçados na partida

Foto: Arquivo

Melbourne (Austrália) - A segunda semifinal da chave masculina do Australian Open teve roteiro muito parecido com o da partida do outro lado da chave. Um dia depois de Rafael Nadal ceder apenas seis games a Stefanos Tsitsipas, Novak Djokovic foi ainda melhor e perdeu só quatro games para o francês Lucas Pouille, 31º do mundo, e venceu por 6/0, 6/2 e 6/2 em 1h23 de partida.

Números 1 e 2 do mundo, Djokovic e Nadal protagonizam a rivalidade com maior número de confrontos na Era Aberta do tênis masculino. Os dois já se enfrentaram 52 vezes, com ligeira vantagem para o sérvio por 27 a 25. Será a 25ª final entre eles no circuito, a oitava em Grand Slam. Na Austrália, o sérvio venceu uma dramática final de 5h53 em 2012.

Vencedor de seis títulos no Australian Open, Djokovic está empatado com Roger Federer e Roy Emerson entre os homens com maior número de títulos na história do torneio e tenta se isolar nessa estatística. O sérvio nunca perdeu uma final em Melbourne e disputará sua 24ª final de Grand Slam. Vencedor de 14 títulos deste porte, o jogador de 31 anos tenta se aproximar das 20 conquistas de Federer e das 17 de Nadal.

Vindo de títulos em Wimbledon e no US Open do ano passado, Djokovic venceu os últimos 20 jogos de Grand Slam que disputou. O sérvio já chegou a vencer os quatro Grand Slam de forma consecutiva, entre Wimbledon-2015 e Roland Garros-2016. O sérvio ainda tem uma série de três títulos de Slam entre Wimbledon-2011 e o Australian Open de 2012.

Superado por Djokovic nesta sexta-feira, Pouille disputou sua primeira semifinal de Grand Slam. Ex-top 10, o francês de 24 anos eliminou nomes como Milos Raonic e Borna Coric pelo caminho e voltará ao grupo dos 20 melhores jogadores do mundo. O terceiro set um pouco mais competitivo livrou Pouille de ter a segunda derrota mais dura em uma semi de Slam, que foi a vitória de Bjorn Borg sobre o italiano Corrado Barazzutti cedendo apenas um game no ano de 1978 em Roland Garros.

Ao longo da rápida semifinal entre Djokovic e Pouille, o sérvio marcou 24 a 18 em winners e terminou a partida com apenas cinco erros não-forçados, contra 25 de seu adversário. Sem enfrentar break points, o número 1 do mundo cedeu apenas oito pontos em seus games de serviço durante o jogo, sendo três no primeiro set, três no segundo e somente dois no terceiro. O sérvio castigou o segundo saque de Pouille, vencendo 24 pontos em 33 possíveis e criou doze break points para aproveitar sete dessas chances.

Ainda que Pouille tenha escapado de dois break points com aces logo em seu primeiro game de serviço, uma dupla-falta acabou permitindo que o sérvio já abrisse uma quebra de vantagem. O francês não conseguia definir os pontos, já que Djokovic sempre colocava uma bola a mais em jogo, seguia eficiente nas devoluções e trocas de fundo e terminou o set com um 'pneu' em apenas 23 minutos.

Pouille enfim saiu do zero depois de oito games, mas Djokovic seguia devolvendo com enorme precisão e profundidade. Cada vez mais pressionado, o francês forçava demais o saque e acabou mais uma vez sofrendo uma quebra depois de uma dupla-falta. O sérvio trouxe para a quadra um forehand incrivelmente agressivo, pegando a bola bem na subida e com muito menos spin, além de trocar direções com extrema simplicidade.

Com um tênis muito superior, continuou a se impor no último set. Exceção feita ao frágil segundo saque, Pouille não jogava mal e até confirmou dois games de serviço com tranquilidade. O francês tentou de tudo, arriscou algumas variações e foi mais vezes à rede, mas não foi possível ameaçar o saque do sérvio.

Comentários
Faberg
Roland Garros Series