Notícias | Dia a dia | Australian Open
Djoko revela motivação extra para superar Nadal
25/01/2019 às 13h21

Após arrasador vitória de Nadal no dia anterior, sérvio tinha o desafio de ceder menos games que o espanhol

Foto: Scott Barbour/Getty Images

Melbourne (Austrália) - Finalista do Australian Open pela sétima vez em sua carreira, Novak Djokovic revelou que tinha uma motivação extra para a semifinal desta sexta-feira contra o francês Lucas Pouille. Um dia depois de ver Rafael Nadal ceder apenas seis games a Stefanos Tsitsipas, o sérvio foi ainda melhor e permitiu apenas quatro games ao adversário da penúltima rodada.

Djokovic foi perguntado se havia entrado em quadra com a intenção de conceder menos games que Nadal no dia anterior e confirmou a hipótese. "Sim (sorrindo). Seria difícil fazer isso, mas de alguma forma eu consegui", disse o sérvio, após a vitória por 6/0, 6/2 e 6/2 sobre Pouille, 31º do ranking.

A rivalidade entre Djokovic e Nadal é a com maior número de confrontos na Era Aberta do tênis masculino. Foram 52 jogos entre eles, com ligeira vantagem para o sérvio, com 27 vitórias contra 25 do espanhol. Até por isso, o número 1 do mundo sabe o que esperar da partida e destacou o ótimo momento do rival, que ainda não perdeu sets no torneio e só teve o saque quebrado duas vezes.

"Ele jogou impressionantemente bem durante todo o torneio e não perdeu nenhum set", avaliou o jogador de 31 anos. "Eu não tenho jogado mal nas últimas partidas e acho que esta final vem no momento certo para nós dois. Tenho certeza de que vamos nos divertir em quadra".

"Podemos prometer uma coisa, vamos dar absolutamente tudo na quadra. Eu acho que as pessoas vão gostar disso", comenta o sérvio, que venceu uma final de 5h53 contra o mesmo Nadal em 2012. "Tentarei jogar tão bem quanto até agora. É claro que jogar Rafa requer uma tática diferente, mas tenho certeza que ele pensa a mesma coisa".

"Ele é meu maior rival na minha carreira. Eu joguei tantas partidas contra ele, partidas épicas nesta quadra. Claro, o que se destaca foi a final de seis horas quase em 2012. Espero que não percamos tanto tempo desta vez. Mas tenho certeza que teremos boas finais", complementou o sérvio, que enfrentará Nadal pela 25ª vez em uma final de ATP e pela nona vez em uma final de Grand Slam.

Djokovic nunca havia enfrentado Pouille anteriormente no circuito, mas conhecia o francês de 24 anos há bastante tempo das quadras de treino, além de estudar bastante sobre o estilo de jogo do adversário. "Eu tive que fazer o dever de casa e pesquisar sobre o jogo dele, sobre os padrões dele. Obviamente, falei com alguns dos jogadores que o enfrentaram antes e tentei me concentrar na execução do plano de jogo. Obviamente, hoje foi uma partida perfeita para mim do primeiro ao último ponto. Eu executei tudo o que pretendia e até mais do que esperava".

Comentários