Notícias | Dia a dia | Australian Open
Brilhante, Djoko atinge hepta na Austrália e 15º Slam
27/01/2019 às 08h51

Djokovic fechou a partida com apenas 9 erros

Foto: Arquivo

Melbourne (Austrália) - Não houve o esperado equilíbrio, e a tão aguardada final do Australian Open serviu para um show de Novak Djokovic. O número 1 do mundo mesclou agressividade e precisão ao longo de 2h04 e, diante de um Rafael Nadal apático e perdido, venceu os três sets com placar de 6/3, 6/2 e 6/3.

Com isso, Djokovic se tornou o maior campeão do Australian Open, com sete troféus. Iniciou a série em 2008, fez três seguidos entre 2011 e 2013 e dois em 2015 e 2016. Jamais perdeu uma semi ou uma final em Melbourne Park, onde soma agora 68 vitórias em 76 possíveis.

Ao conquistar o terceiro Grand Slam consecutivo pela terceira vez na carreira - fez sequência Wimbledon-EUA-Austrália em 2012 e embolsou os quatro consecutivos entre Wimbledon de 2015 e Paris de 2016 -, se fixa como o terceiro maior colecionador de troféus de Grand Slam da história, com 15. Supera o norte-americano Pete Sampras e se aproxima mais do próprio Nadal, que permanece com17. O recorde pertence a Roger Federer, com 20.

Djokovic sufocou Nadal desde o primeiro game da partida. Com o saque nas mãos, não deu qualquer oportunidade. Na devolução, obteve quebra precoce, abusou do ataque ao forehand do adversário e tirou a confiança do espanhol muito cedo. Lutador, Nadal se segurou na base do primeiro saque, mas o sérvio errou apenas três vezes no set e não abriu oportunidades.

Os primeiros games do segundo set mostraram enfim algum equilíbrio, porém Djokovic raramente permitiu que o adversário saísse da postura defensiva. A quebra veio no quinto game num momento de erros do espanhol na tentativa de fazer mais com a bola. Ainda teve uma chance de reação, abrindo 15-30 e levando Nole a 40-40, mas a partir daí foi atropelado pela solidez e agressividade de Djokovic, que se deu ao luxo de fechar o set com três aces seguidos.

Mais uma vez, Nadal ensaiou postura positiva no começo do terceiro set, mas Djokovic sobrou outra vez e quebrou logo no terceiro game. O sérvio só teve uma queda de intensidade, que permitiu um break-point no sexto game, porém reagiu e apontou a cabeça, como a dizer para conter a ansiedade. E assim o fez, concluindo a conquista com 34 winners e nove erros. Nadal assim amarga o quarto vice consecutivo desde seu título em 2009.

O duro placar aumenta a série invicta de Djokovic sobre Nadal em quadras duras para oito jogos e 17 sets, que vem desde a final do US Open de 2013. O placar geral sobe para 28 a 25 em favor do sérvio,com 19 a 7 no piso sintético. Sérvio abre 15 a 10 em finais no circuito e diminuiu para 6 a 9 em torneios de Slam (4 a 4 em decisões).

Aos 31 anos e meio, Djokovic atinge seu terceiro Slam como 'trintão' e sobe numa seleta lista de profissionais que brilharam nessa faixa etária: Nadal também tem três, superados por Federer, Laver e Ken Rosewall, com quatro. De quebra, faturou mais US$ 2,94 milhões.

O título também se refletirá no ranking. Com a vitória, abre 2.635 pontos de Nadal e não correrá qualquer risco pelo menos até a defesa do título em Wimbledon.

Comentários