Notícias | Copa Davis
Thiago: 'Quadra estava mais rápida que gostaríamos'
03/02/2019 às 11h57

Mesmo em casa, Brasil perdeu de 3 a 1 para a Bélgica

Foto: Luiz Candido/CBT

Uberlândia (MG) - Depois da derrota dentro de casa para uma desfalcada equipe belga, surgiram vários questionamentos sobre o confronto pelo playoff do Grupo Mundial da Copa Davis, principalmente em relação às condições escolhidas: uma quadra de saibro que estava bem rápida, em lugar coberto e em ambiente fechado.

Número 1 do país, o cearense Thiago Monteiro defendeu a escolha feita pelo comando técnico, mas admitiu que o piso acabou ficando mais veloz do que esperavam. “Foi mais um consenso mesmo, até que ficou um pouco mais rápido do que a gente gostaria. (A bola) estava picando bastante, difícil de devolver”, avaliou o canhoto de Fortaleza em entrevista ao GloboEsporte.com.

“Nas duplas, os dois (belgas) sacaram muito bem. Para devolver, foi algo que custou mais para se adaptar. Meus dois jogos tiveram muitos ralis. Mas, meu adversário tirou bolas muito boas, jogou em um nível muito alto. Então, foi mais mérito deles para a vitória”, complementou Monteiro.

Bruno Soares também falou sobre a quadra e explicou a surpreendente derrota da dupla com Marcelo Melo. “A partida foi decidida no saque. Estudamos ele, mas eles sacaram bem o jogo inteiro, não nos deram nenhuma chance. Provavelmente a primeira partida que eu Marcelo não tivemos nenhum break point. Muito em função das condições, a altura, a bola voa, muito difícil de devolver”, analisou.

“Eles devolveram um pouco melhor que a gente, mas também tiveram aquele game que quebraram, que eles deram um pouco de sorte, e tiveram poucas chances. Todo mundo sacou legal, então ficou no detalhe”, complementou o duplista mineiro.

Ainda sobre a escolha das condições, Monteiro explicou que as opções também foram feitas pensando no que era pior para os rivais. "A gente não queria jogar num lugar muito lento também para não ter um jogo com muito ritmo para eles. O (David) Goffin é um cara que gosta muito desse ritmo, um bom timing de bola. Aqui ele teria mais dificuldades”, comentou o cearense.

“O (Ruben) Bemelmans, que também não veio, um cara que joga rápido também. A gente tentou evitar um pouco isso. As condições para mim não são ruins, já fiz bons resultados nessas condições, Rogerinho também, a dupla não gosta de jogar em condições muito lentas”, finalizou o melhor brasileiro no ranking da ATP.

Comentários
Faberg
Roland Garros Series