Notícias | Dia a dia
Monfils barra Wawrinka e volta a faturar um 500
17/02/2019 às 13h34

Monfils mostrou sua excepcional capacidade de defesa no terceiro set

Foto: Arquivo

Roterdã (Holanda) - Dois anos e meio depois de conquistar o maior título da carreira, o francês Gael Monfils voltou a vencer um torneio de nível 500. Numa semana de atuações firmes sobre a quadra dura coberta, ele viveu altos e baixos para tirar o suíço Stan Wawrinka, por 6/3, 1/6 e 6/2. Além da arrancada para o 23º lugar do ranking, embolsou 405 mil euros.

Monfils disputou a 29ª final da carreira e levou apenas seu oitavo título. O único 500 da sua coleção havia ocorrido no piso duro de Washington, em julho de 2016, mesma temporada em que atingiu a final de Roterdã mas foi superado na decisão pelo eslovaco Martin Klizan.

Aos 32 anos, o ex-número 6 do ranking voltou à boa fase. Ele parou ainda na segunda rodada do Australian Open, mas há poucos dias fez semifinal em Sofia. A ascensão de 10 postos no ranking será sua mais alta classificação desde o 22º posto em agosto de 2017.

Wawrinka por sua vez buscava o segundo troféu em Roterdã, após o título de 2015. Fez uma semana espetacular, com vitórias sobre Milos Raonic, Denis Shapovalov e Kei Nishikori, o que lhe valeu a primeira final desde Roland Garros de 2017. O suíço, que completará 34 anos dentro de 40 dias, soma 29 finais e 17 ATPs na carreira. A boa campanha o levará do 64º lugar do ranking ao 41º.

Para marcar sua terceira vitória em seis duelos contra Wawrinka, o francês fez o que sabe de melhor em todo o primeiro set. Forçou muitas trocas de bola, alternando direções, e investiu em deixadinhas para variar o ritmo. Com isso, obteve quebras no terceiro e nono games.

Wawrinka mudou de postura no segundo set. Foi mais agressivo, buscando a rede, e viu Monfils cair de intensidade até mesmo no primeiro saque, o que sugeriu algum problema físico. Mas o francês não pediu atendimento. Ao contrário, começou a série decisiva com disposição e uma série de boas devoluções lhe deu a quebra logo no terceiro game. Ficou firme no fundo o tempo todo e foi recompensado pela pressa do suíço em definir pontos no sétimo game, o que custou outra quebra.

Comentários
Raquete novo
Mundo Tênis