Notícias | Dia a dia
Federer não pensa em ser técnico ao fim da carreira
21/02/2019 às 12h01

Federer garante que fará exibições após a aposentadoria

Foto: Arquivo

Dubai (Emirados Árabes) - Cansado da rotina de viagens e competições, o suíço Roger Federer não considera a possibilidade de vir a treinar algum tenista quando encerrar a carreira. Ele admite, no máximo, fazer consultoria para os interessados.

“É difícil seguir na carreira de treinador", avalia ele ao site TennisWorld. "Para obter resultados como técnico, é preciso viajar pelo menos 20 semanas por ano. Não posso fazer isso com quatro crianças. Então eu me Imagino mais como um consultor”.

Aos 37 anos, a aposentadoria sempre é assunto nas entrevistas do recordista de Grand Slam do tênis, mas novamente Federer diz que não está pensando nisso: "Quando assinei contrato de 10 anos com a Uniqlo, me perguntei se ainda queria estar comprometido profissionalmente mesmo depois de minha carreira. É certo que continuarei fazendo aparições públicas, jogando a Laver Cup, mas não quero viajar tanto, nem ficar nos holofotes. A família e os amigos são mais importantes para mim".

Federer está em fase final de treinamento para disputar o ATP 500 de Dubai, na próxima semana, que é outro lugar em que costuma residir além da Suíça. Ele buscará o tão aguardado 100º troféu.

Comentários
Raquete novo
Mundo Tênis