Notícias | Dia a dia
'Sinto que a torcida está do meu lado', diz Aliassime
24/02/2019 às 07h00

Aliassime é o mais jovem finalista de ATP 500

Foto: Fotojump
Felipe Priante

Rio de Janeiro (RJ) - Não foi neste sábado que a sensacional campanha do jovem canadense Felix Auger Aliassime teve um ponto final no Rio Open. Convidado da organização, o tenista de apenas 18 anos despontou de vez para o circuito nesse torneio e irá disputar sua primeira final da carreira logo em um ATP 500.

Apesar de todo furor em torno de sua campanha, o jovem atleta prefere adotar um discurso mais sereno. “Não vou dizer que sou o favorito, mas sinto que a torcida está do meu lado. Será uma partida difícil, uma nova batalha e por isso preciso manter o foco”, comentou Aliassime, que enfrentará o sérvio Laslo Djere na disputa do título no saibro carioca.

O bom resultado nesta semana foi comemorado pelo canadense, mas ele acredita que ser ou não campeão é apenas um detalhe na carreira vitoriosa que almeja ter. “Isso mostra que estou no caminho. Vencer o título em si não é a coisa mais importante, o que importa sim conseguir depois ter uma carreira de sucesso”, observou.

Questionado sobre similaridades com o espanhol Rafael Nadal, que também foi um tenista que despontou precocemente, o atleta de 18 fez questão de dizer que os dois são pessoas distintas e com histórias diferentes. Por isso ele não mira marcas do canhoto de Mallorca, que já venceu o Rio Open em 2014, na primeira edição do torneio.

“Não quero pensar tão na frente, meu foco é no momento e em vencer a próxima partida”, falou Aliassime, que não se vê como jogador de um piso específico. “Acho que você tem que ser um tenista completo, me sinto confortável no saibro e acredito que posa jogar bem em qualquer superfície”, analisou.

Sobre o duelo contra o uruguaio Pablo Cuevas, na semifinal deste sábado, ele viu como uma partida completa. “Teve um pouco de tudo. Eu me senti bem no começo, meus golpes estavam encaixando, mas ele voltou bem para o segundo set, pegando mais cedo da bola. Tentei manter o ritmo e o terceiro consegui sacar muito bem, além disso obtive uma quebra cedo e depois consegui fechar o jogo”, comentou o canadense.

Comentários
Raquete novo
Mundo Tênis