Notícias | Dia a dia
Introspectivo, Djere espera servir de inspiração
24/02/2019 às 23h01

Djere dará salto de mais de 50 lugares no ranking

Foto: Fotojump
Felipe Priante

Rio de Janeiro (RJ) - Improvável campeão do Rio Open deste ano, o sérvio Laslo Djere também não esperava conquistar o título de um torneio no qual teve como primeiro adversário o austríaco Dominic Thiem, campeão de 2016 e principal candidato ao título da competição. Ele surpreendeu não apenas na primeira rodada, mas também os restantes dos adversários e acabou faturando seu primeiro título no circuito.

“Quando saiu a chave eu fiquei desapontado por ter que enfrentar o cabeça de chave número 1 logo na estreia. Definitivamente minha expectativa não era vencer aqui, mas estava treinado bem e tentei pensar que poderia vencer”, revelou o sérvio de 23 anos, que falou sobre a felicidade da conquista inédita e da sensação ao fechar o jogo.

“Foi uma coisa louca, não consigo lembrar de nada. Fico feliz de ter vencido meu primeiro título em um ATP 500 e logo na minha primeira final. Em challenger eu perdi as primeiras cinco finais que disputei. Tenho sonhado com esse momento por toda a vida, mas não esperava que fosse nessa circunstância”, comentou o tenista que ganhará 53 lugares no ranking e subirá para o 37º posto, o melhor da carreira.

Feliz por agora poder escolher os torneios a disputar com o ranking que assumirá, Djere contou ser um cara tímido e que tenta melhorar nesse aspecto. “Sou um cara bem tímido e introvertido, que trabalha duro e é dedicado. Gosto de ficar perto das pessoas que são importantes para mim, mas também gosto de ter um tempo livre para mim. Vou seguir humilde e trabalhando firme, pois sei que haverá altos e baixos”, contou.

O sérvio, que perdeu os pais ainda criança por causa do câncer, disse que pretende inspirar pessoas com dificuldades pessoas a lutar para vencer. “A vida é do jeito que é, você tem que seguir em frente. Sempre tentei dar o meu máximo dentro e fora de quadra, buscando ser o mais feliz possível. Às vezes penso que seria impossível superar tudo isso, acho que não há muitos jogadores nessa situação. Espero inspirar outros mostrando que você pode ser grande mesmo quando a vida pessoal não estiver indo bem”.

Sobre a final, ele destacou o nervosismo dos dois finalistas, mas acredita ter conseguido se controlar melhor. “Ele é muito jovem, talentoso, tem grade saque e forehand, foi um cara duro de se enfrentar e com certeza terá um futuro brilhante. Talvez eu tenha lidado melhor com os nervos e o saibro é minha superfície favorita”, encerrou o sérvio.

Comentários
Raquete novo
Mundo Tênis