Notícias | Dia a dia
Aliassime: 'Não consegui jogar no nível que poderia'
02/03/2019 às 08h00

Aliassime ganhará mais de 40 lugares em solo brasileiro

Foto: Marcello Zambrana/DGW Comunicação
Felipe Priante

São Paulo (SP) - Pela segunda semana seguida a campanha do canadense Felix Auger Aliassime teve um ponto final no duelo contra o sérvio Laslo Djere, que o venceu na final do Rio Open e nesta sexta-feira repetiu a dose nas quartas de final do Brasil Open. O tenista de apenas 18 anos fez um balanço positivo de sua vinda ao país, mas lamentou o nível de jogo apresentado na última derrota.

“Foi uma grande experiência estar aqui pela primeira vez, meus resultados foram muito bons e consegui evoluir bastante. Tudo foi muito bom desde o começo”, comentou o promissor canadense, que não garantiu retorno ao Brasil em 2020. “Está muito longe ainda, seria muito legal, mas não posso garantir”, resumiu.

Aliassime viu seus bons resultados em terras tupiniquins render frutos além da ascensão no ranking. Ele foi um dos convidados para a chave principal do Masters 1000 de Indian Wells. “Provavelmente isso ajudou. Fico feliz que entrarei direto na chave e não precisarei jogar o quali, pois me dá mais tempo para descansar e estar preparado para o torneio”, analisou.

Questionado sobre a partida, ele culpou seu desempenho nos serviços. “Acho que fiz um bom jogo, mas não consegui encontrar o ritmo no primeiro set. Estava com trabalho para fechar os meus games de serviço. Consegui me reagrupar para o segundo e no terceiro acabei falhando novamente no saque, o que é frustrante porque não consegui jogar no nível que poderia”, falou Aliassime.

“Tenho que trabalhar para ser cada vez mais sólido”, complementou o atual número 60 do mundo, que chegou ao Brasil fora do top 100 e irá sair como o 58º melhor do mundo, já que ganhará mais duas posições depois do torneio disputado no saibro do Ibirapuera.

Comentários
Raquete novo
Mundo Tênis