Notícias | Dia a dia
Osaka acredita que 'faltou maturidade' para vencer
24/03/2019 às 14h41

Japonesa chegou a sacar para o jogo no segundo set contra Hsieh

Foto: Divulgação

Miami (EUA) - Eliminada ainda na terceira rodada do WTA Premier de Miami, Naomi Osaka acredita que o aspecto mental do jogo fez a diferença na derrota para a taiwanesa Su-Wei Hsieh na tarde de sábado. A jovem japonesa de 21 anos e número 1 do mundo acredita que faltou maturidade para lidar com as situações de pressão nos momentos decisivos da partida.

"Fui um pouco imatura hoje. Eu estava pensando demais, como se tudo dependesse da minha raquete", disse Osaka, após a derrota por 4/6, 7/6 (7-4) e 6/3 após 2h18 de partida. "Honestamente, ela tem a capacidade de fazer winners também, sempre que quiser. Acho que esse foi um dos principais problemas. Não acho que eu tenha subestimado o jogo dela, mas acho que superestimei a mim mesma".

A japonesa chegou a sacar para o jogo no segundo set, quando liderava por 5/4 e tinha 30-0 em seu game de serviço, mas acabou cometendo duplas faltas que permitiram à rival devolver a quebra. "Não sei muito bem o que aconteceu comigo. Só sei que é algo incomum para mim. Eu estava fora de mim, justamente no momento em que normalmente eu controlo a situação. Foi um game difícil, ela acertou muitas linhas com bolas cruzadas e é uma jogadora imprevisível".

A derrota do último sábado também colocou fim à uma incrível sequência estabelecida por Osaka. A japonesa havia saído vencedora os últimos 63 jogos em que havia ganhado o primeiro set e não levava uma virada desde outubro de 2016. "É um pouco frustrante. Eu sabia do meu retrospecto, mas eventualmente eu iria perder um jogo depois de ganhar o primeiro set. Em alguns momentos no segundo set eu estava muito relaxada na hora de devolver o saque dela, como se eu tivesse com tudo sob controle. Eu tinha que ter me focado mais, para lutar por cada ponto e não pensar que a situação poderia mudar a qualquer momento".

Ameaçada de perder a liderança do ranking, Osaka falou sobre como tem lidado mentalmente com a pressão de ser a número 1 do mundo. Simona Halep e Petra Kvitova podem ultrapassar a japonesa caso alcancem a final do torneio. "Obviamente, meu objetivo é ganhar todos as partidas que eu disputar. Tenho que lidar com o estresse de ouvir as pessoas todos os dias me perguntando sobre a pressão, e sobre me manter como número 1 do mundo. Acho que neste aspecto estou indo bem, ainda que hoje eu suponha que não".

Algoz de Osaka, Hsieh marcou a sexta vitória contra top 10 da carreira e a terceira da temporada. Também devolveu a derrota sofrida para a japonesa na terceira rodada do Australian Open. "A chave foi nunca desistir. Lutei até o último ponto e me dei muito bem".

"Foi muito difícil. Lembro-me que da última vez que jogamos eu fiz muitas duplas faltas. Desta vez, eu pude pensar melhor no jogo e colocar mais bolas em quadra. Com 5/4 e 30-0 do segundo set não achei que a partida tivesse acabado. Eu apenas pensava na próxima rebatida, contanto que ela não fizesse um ace, meu plano era lutar por cada bola até o final", comenta a veterana de 33 anos e 27ª do ranking, que enfrentará Caroline Wozniacki nas oitavas.

Comentários
Raquete novo
Mundo Tênis