Notícias | Dia a dia
Shapovalov afirma que duelo com Federer é sonho
29/03/2019 às 11h37

Shapovalov enfrentará ídolo de infância na semi

Foto: Divulgação

Miami (EUA) - Denis Shapovalov nunca escondeu que o suíço Roger Federer é um de seus ídolos de infância. Nesta sexta-feira, o canadense de 19 anos terá a chance de enfrentá-lo pelas semifinais do Masters 1000 de Miami, em uma partida que ele considera um sonho a ser realizado.

“Sonhei a vida toda por essa partida, vou entrar para lutar por cada ponto e tentar ganhar, ainda que saiba que será muito difícil. O simples fato de vê-lo do outro lado da rede já será um sonho se realizando”, afirmou o jovem tenista canhoto, que inspirou seus golpes nos do suíço.

“Sempre tentei golpear meu revés como o de Federer, passei horas vendo suas partidas e aprendendo com seus movimentos”, afirmou Shapovalov, que também destaca os outros dois do ‘Big 3’ como modelos a serem seguidos. “Admiro muito a mobilidade de Novak, que conseguiu cavar seu espaço entre duas lendas. Quanto a Nadal, me assombra seu espírito de luta e espero um dia chegar a esse ponto”, comentou.

Responsável por tirar o norte-americano Frances Tiafoe nas quartas de final, Shapovalov lamentou a eliminação de um amigo. “Foi difícil enfrentar um grande amigo como é Frances, a quem desejo o melhor e gostaria de ver vencendo os principais torneios. Temos uma camaradagem especial, fico feliz por minha vitória, mas me entristece ver um amigo como ele perder uma oportunidade”, disse.

“Somos muitos os jovens talentosos e dispostos a aproveitar o momento. As lendas seguem dominando, mas cada vez estamos mais próximos. Ter novos valores capazes é muito saudável para o nosso esporte”, acrescentou o canadense, que tem como um dos objetivos chegar ao top 10.

"Tenho feito um grande trabalho com minha equipe e por isso sou capaz de jogar o meu melhor tênis nos principais torneios. Depois de fazer semi em Montréal (2017) tive umas semanas de loucura, em que não conseguia me concentrar para nada, aí quando repeti o feito em Madri (2018) me dei conta de que tenho nível para estar lá”, finalizou o atual 23 do mundo, que entrará para o top 20 após Miami.

Comentários
Raquete novo
Mundo Tênis