Notícias | Dia a dia
Herbert foca em simples e Mahut busca parceiros
15/04/2019 às 19h25

Herbert e Mahut já venceram todos os Grand Slam jogando juntos

Foto: Arquivo

Monte Carlo (Mônaco) - A extremamente vitoriosa parceria francesa entre Nicolas Mahut e Pierre-Hugues Herbert deverá fazer raras aparições no circuito. Eliminados ainda na estreia do Masters 1000 de Monte Carlo, os franceses não deverão jogar juntos em grandes torneios no restante desta temporada para que Herbert possa priorizar as competições de simples.

Atuais campeões do Australian Open, os franceses já venceram todos os Grand Slam jogando juntos. O veterano Mahut, de 37 anos, é o terceiro melhor duplista no ranking mundial, enquanto Herbert, 28, aparece no quinto lugar. O mais novo da parceria também tem um bom ranking de simples, aparecendo atualmente na 49ª posição, chegando a ocupar o 36º lugar em fevereiro.

Herbert e Mahut perderam nesta segunda-feira em Monte Carlo para os holandeses Robin Haase e Wesley Koolhof por 7/6 (7-4) e 7/6 (7-2). Os franceses não jogarão juntos nos dois próximos Grand Slam, mas pretendem reatar a parceria no fim do ano ou no início de 2020, de olho nos Jogos Olímpicos de Tóquio.

"Se eu não fizesse isso agora, eu não faria nunca. Mas Nicolas aceitou a decisão", disse Herbert em entrevista à rádio RMC, em Monte Carlo. Mahut também se manifestou. "Pierre-Hugues está com 28 anos. Agora é a hora dele. Estamos cientes de nossos objetivos e temos foco nos Jogos Olímpicos de 2020".

Sem poder contar com um parceiro fixo, Mahut tem ido em busca de outros jogadores para poder seguir no circuito. "Fiz um anúncio no site da intranet da ATP e conversei com vários jogadores. Achei que seria mais fácil encontrar um parceiro. Quero um jogador com quem possa disputar dois Grand Slams e os Masters 1000, mas recebo mais propostas de jogadores entre 60º e 100º lugar do ranking, o que é insuficente para entrar nos Masters".

Mahut cita que procurou até mesmo o ex-jogador profissional Julien Benneteau, mas não teve sucesso por conta de entraves burocráticos referentes à recente aposentadoria do compatriota. "Seria legal e teríamos nos divertido, mas Julien está oficialmente aposentado e levaria seis meses para que ele voltasse às listas do antidoping", explicou o francês, que ainda busca um companheiro para o circuito de duplas.

Comentários
Raquete novo
Mundo Tênis