Notícias | Dia a dia
Tsitsipas sobe no ranking e alcança melhor marca
13/05/2019 às 08h20

Miami (EUA) - A disputa do Masters 1000 de Madri trouxe mudanças no top 10 da ATP, em que apenas os três primeiros se mantiveram nas mesmas colocações. O sérvio Novak Djokovic segue absoluto na ponta, com quase 4 mil pontos de frente para o espanhol Rafael Nadal, o segundo colocado, que por sua vez tem pouco mais de 2.200 pontos de vantagem para o suíço Roger Federer.

Semifinalista na semana passada, o austríaco Dominic Thiem assumiu a quarta posição, igualou sua melhor marca e derrubou o alemão Alexander Zverev para o quinto lugar. O sexto é agora o japonês Kei Nishikori, que subiu um posto, e o sétimo é o grego Stefanos Tsitsipas, que com o vice na Caixa Mágica melhorou duas colocações e atingiu a melhor da carreira.

Fechando o top 10 aparecem o sul-africano Kevin Anderson, que perdeu dois lugares e foi para o oitavo, o argentino Juan Martin del Potro, que caiu uma posição e agora é o nono do mundo, e o croata Marin Cilic, que retornou à faixa dos dez primeiros ao ultrapassar o norte-americano John Isner e assumir o 10º posto.

Warinka volta ao top 30

A escalada do suíço Stan Wawrinka, que chegou a sair do top 200 no ano passado, vem acontecendo passo a passo e nesta segunda-feira ele retomou seu lugar dentro do top 30, algo que não acontecia desde o dia 28 de maio de 2018. Ele ganhou cinco posições e agora é o 29º do mundo, conseguindo assim figurar entre os 32 cabeças de chave em Roland Garros e evitando problemas no começo.

Quem também teve uma ascensão interessante foi o argentino Guido Pella, que por pouco não debutou no top 20. Assim como Wawrinka, seu algoz em Madri, ele também subiu cinco lugares e agora é o 21º do mundo, o mais alto ranking que já conseguiu alcançar até então na ATP.

Berankis comanda maiores disparadas

O lituano Ricardas Berankis foi o destaque do top 100, conseguindo a maior escalada da semana. Campeão do challenger de Busan, na Coreia do Sul, ele ganhou 25 posições e foi para o 70º lugar. Além dele, apenas mais dois outros jogadores subiram mais de 10 colocações da última lista para esta.

Segundo entre os que mais subiram, o boliviano Hugo Dellien garantiu o retorno ao top 100 ao furar o quali de Madri e vencer uma na chave principal, campanha que lhe rendeu 13 colocações e a atual 96ª posição no ranking. A outra boa arrancada foi a do polonês Hubert Hurkacz, que ganhou 11 postos e agora é o 41º do mundo.

Comentários
Raquete novo
Mundo Tênis