Notícias | Dia a dia | Roland Garros
Cinco jogadoras disputam o nº 1 em Roland Garros
24/05/2019 às 18h13

Nova número 2 do mundo, Pliskova pode ultrapassar Osaka se for finalista em Roland Garros

Foto: Arquivo

Paris (França) - Como tem sido frequente nos principais torneios da atual temporada, a liderança do ranking da WTA estará em jogo durante Roland Garros. Desta vez, a atual número 1 do mundo Naomi Osaka tem a posição ameaçada por quatro candidatas: Karolina Pliskova, Kiki Bertens, Petra Kvitova e Angelique Kerber.

Líder do ranking mundial há 19 semanas, Osaka foi campeã dos dois últimos Grand Slam, o US Open do ano passado e o Australian Open deste ano. Para não depender de outros resultados na manutenção da liderança, a japonesa de 21 anos precisa chegar à final em Paris.

Entretanto, as chances para todas as concorrentes chegarem ao número 1 envolvem título ou vice-campeonato. Dessa forma, mesmo que Osaka seja precocemente eliminada em Roland Garros, ela ainda pode sustentar a primeira posição se nenhuma das outas candidatas fizer uma excelente campanha.

Nova número 2 do mundo após o título em Roma, Karolina Pliskova precisa chegar à final do Grand Slam francês para ter chance de ultrapassar Osaka. Se a japonesa for semifinalista, a tcheca fica obrigada a conquistar o título para chegar à liderança.

Em situação parecida está a holandesa Kiki Bertens, quarta colocada e campeã em Madri. Se for campeã, Osaka não pode ser finalista. Já se ficar com o vice, a japonesa precisa parar ainda nas quartas de final. Lembrando que Bertens e Pliskova estão no mesmo lado da chave e podem se enfrentar em uma possível semifinal.

Para as canhotas Angelique Kerber e Petra Kvitova só o título interessa. Kvitova precisa que Osaka não seja semifinalista, enquanto Kerber torce para que a japonesa não chegue às quartas de final da competição. A única jogadora entre as seis primeiras do ranking sem chances de assumir o número 1 é Simona Halep, atual campeã de Roland Garros, que tem 2 mil pontos a defender nas próximas duas semanas.

Comentários