Notícias | Dia a dia | Roland Garros
Djokovic: 'Meu desejo de fazer história só aumenta'
06/06/2019 às 17h41

Djokovic acumula 26 vitórias consecutivas em Grand Slam e tenta repetir façanha de Rod Laver

Foto: Divulgação

Paris (França) - Vencedor dos três últimos Grand Slam e semifinalista de Roland Garros, Novak Djokovic está a duas vitórias de repetir uma façanha que já conseguiu entre 2015 e 2016, quando venceu de forma consecutiva os quatro maiores torneios do tênis mundial. Caso consiga esse feito, o sérvio irá se igualar ao lendário Rod Laver, único homem a fechar o Grand Slam em duas oportunidades distintas. Até por isso, o sérvio garante que fazer história no esporte é uma das melhores formas de motivação.

"Quanto mais eu jogo e prolongo a minha carreira, o a vontade de fazer história só fica mais forte. Essa é uma das maiores motivações que eu tenho", disse Djokovic depois de vencer a partida contra Alexander Zverev nas quartas de final por 7/5, 6/2 e 6/2. O sérvio é o único dos semifinalistas que ainda não perdeu sets em Paris.

"Acho que não há melhor maneira de fazer história do esporte do que ganhar títulos de Grand Slam, jogar o seu melhor nos principais torneios, e obviamente tentar ser o número 1 do mundo. Em termos de resultados, essas são as realizações mais importantes que você pode ter em nosso esporte", avaliou o jogador de 32 anos e que acumula 253 semanas na liderança do ranking.

Pela primeira vez desde o Australian Open de 2012, os quatro primeiros colocados do ranking mundial chegam às semifinais de um Grand Slam, ou mesmo de um torneio da ATP. Djokovic enfrentará na semifinal o quarto colocado Dominic Thiem, enquanto os números 2 e 3 do mundo Rafael Nadal e Roger Federer fazem a outra partida.

"Esses números falam muito bem da qualidade do torneio e da qualidade dos quatro principais cabeças de chave. Acho que é uma coisa muito positiva ter os quatro melhores jogadores competindo nas semifinais. Isso ajuda a aumentar as rivalidades e a gerar mais expectativa para esses jogos", comentou o experiente jogador sérvio.

Djokovic lidera o histórico de confrontos contra Thiem por 6 a 2, mas suas duas derrotas para o austríaco aconteceram no saibro, a primeira nas quartas de final de Roland Garros em 2017 e a mais recente no Masters 1000 de Monte Carlo do ano passado. "Dominic está merecidamente entre um dos quatro melhores jogadores do mundo, especialmente no saibro. É onde ele está jogando seu melhor tênis. Ele tem esse tremendo poder em seu jogo, especialmente com forehand e com saque. Acho que seu backhand também melhorou muito nos últimos dois anos".

O sérvio também destacou o trabalho que o austríaco tem feito ao lado do chileno Nicolas Massú ao longo da temporada de saibro. "Parece que a relação dele com o Massú o ajudou muito, também mentalmente, em grandes partidas. Parece que tem funcionado muito bem. Se ele continuar jogando dessa maneira, não apenas no saibro, mas em geral, acho que provavelmente o veremos com mais frequência nas fases finais dos torneios em diferentes pisos".

Comentários