Notícias | Dia a dia
Fed Cup muda formato e Brasil é beneficiado
27/06/2019 às 13h59

Brasileiras não precisarão jogar o Zonal Americano em 2020 e entram diretamente no qualificatório mundial em fevereiro

Foto: Divulgação

Londres (Inglaterra) - A Federação Internacional de Tênis (ITF) anunciou nesta quinta-feira uma série de mudanças no formato da Fed Cup, competição anual entre países do circuito feminino. O novo regulamento passa a valer a partir de 2020 e fica parecido com o modelo já em vigor na Copa Davis a partir deste ano. Outro atrativo é a premiação distribuída de US$ 18 milhões, sendo US$ 12 milhões entre as jogadoras e US$ 6 milhões para as federações nacionais.

A Fed Cup terá um qualificatório mundial entre os dias 7 e 8 de fevereiro com 16 países, valendo oito vagas na fase final da competição. Já a segunda etapa será disputada no saibro de Budapeste, na Hungria, entre os dias 14 e 19 de abril. Além dos oito países classificados, estarão as finalistas de 2019 (França e Austrália) e mais uma nação convidada. Não haverá mais a rodada final em novembro, que tradicionalmente fechava a temporada do circuito feminino.

Durante a fase final da Fed Cup, os doze países participantes serão divididos em quatro grupos com três. Os líderes de cada uma das chaves irão se classificar para as semifinais. Todos os confrontos dessa fase serão disputados com duas partidas de simples e uma de duplas.

Brasil jogará o qualificatório mundial em fevereiro
O Brasil foi um dos países beneficiados pela mudança no formato da Fed Cup. Diferente do que costumava acontecer nos últimos anos, quando precisavam disputar o Zonal Americano I, as brasileiras entrarão diretamente no qualificatório mundial.

Assim como o Brasil, o Cazaquistão também se beneficiou com a mudança. Os dois foram os países de melhor ranking entre os derrotados nos playoffs do Grupo Mundial II da Fed Cup de 2019, que aconteceram nos dias 20 e 21 de abril deste ano. Os outros 14 países no qualificatório mundial serão Belarus, Bélgica, Canadá, República Tcheca, Japão, Alemanha, Grã Bretanha, Letônia, Romênia, Rússia, Eslováquia, Espanha, Suíça e Estados Unidos.

Um país será convidado para as finais
A ITF também divulgou quais critérios serão levados em consideração para que uma equipe seja convidada a participar da fase final da competição. O país precisa estar entre os 50 primeiros colocados no ranking da Fed Cup e precisa ter uma ou mais jogadoras no top 10 do ranking da WTA do fim do ano anterior. Por esses critérios, a Holanda de Kiki Bertens ou a Ucrânia de Elina Svitolina seriam fortes candidatas.

Comentários
Raquete novo
Mundo Tênis