Notícias | Dia a dia | Wimbledon
Federer e Nadal tentam se aproximar de Djokovic
01/07/2019 às 07h40

Federer e Nadl não podem passar Djokovic, mas têm chance de ouro de reduzir bem a distância entre eles

Foto: Arquivo

Londres (Inglaterra) - Líder absoluto do ranking, o sérvio Novak Djokovic não corre risco algum de perder o posto de número 1 do mundo após Wimbledon, mesmo que caia na estreia e não defenda o título conquistado no ano passado. Porém, a disputa no All England Club pode servir para que seus dois perseguidores mais próximos, o espanhol Rafael Nadal e o suíço Roger Federer, encurtem a distância para a ponta.

Enquanto ‘Nole’ defende 2.000 pontos, Rafa tem 720 pontos para salvar no terceiro Grand Slam da temporada e Roger ainda menos, com “apenas” 360. Isso permite que o espanhol corte por volta de 1.200 pontos e o suíço reduza a diferença em pouco mais de 1.600 pontos apenas fazendo campanhas similares à do sérvio.

No pior dos cenários possível para Djokovic (queda na estreia e título de um dos rivais) a distância cairia vertiginosamente, principalmente se o campeão for Nadal. Em caso de conquista do espanhol, ele ficaria 1.200 pontos atrás do sérvio. Já se o vencedor for Federer e o atual líder do ranking cair na estreia, a diferença entre eles cairia dos atuais 5.795 pontos para 2.165.

Se Federer pode almejar uma grande aproximação em relação ao número 1 do mundo, com chance real de brigar ao menos pela vice-liderança do ranking, ele também precisa ficar atento a Dominic Thiem e Alexander Zverev, que têm a chance de ultrapassá-lo no ranking. O austríaco não passou da estreia no ano passado e soma tudo o que conseguir nesta temporada, ao passo que o alemão defende apenas a segunda rodada.

Quem precisa repetir a boa campanha de 2018 é o sul-africano Kevin Anderson. Atual vice-campeão de Wimbledon e número 8 do mundo, ele tem a vaga no top 10 ameaçada e por isso tem que ir longe na competição para não cair no ranking. São três as principais ameaças para o sul-africano: o italiano Fabio Fognini e os russos Karen Khachanov e Daniil Medvedev.

Comentários
Faberg
Roland Garros Series