Notícias | Dia a dia | Wimbledon
Para Osaka, é preciso voltar a sorrir em quadra
01/07/2019 às 20h56

Japonesa não teve bons resultados depois do título na Austrália

Foto: Divulgação

Londres (Inglaterra) - Superada logo na primeira rodada de Wimbledon, Naomi Osaka falou sobre o que precisa fazer para que ela volte a disputar títulos importantes. Depois de conquistar o US Open do ano passado e o Australian Open em janeiro, a japonesa vem acumulando eliminações precoces e acredita que precisa voltar a sorrir em quadra.

Atual número 2 do mundo aos 21 anos, Osaka conta que ela costumava lidar melhor com as derrotas no passado, porque conseguia se divertir jogando tênis, o que não está acontecendo atualmente.

"A chave para mim foi apenas me divertir, aprendendo a me divertir. Meio que me tirando a pressão, espero poder de alguma forma encontrar uma maneira de fazer isso", disse Osaka, após a derrota por 7/6 (7-4) e 6/2 para a cazaque Yulia Putintseva nesta segunda-feira.

Esta foi a segunda derrota seguida de Osaka para a mesma adversária. Há duas semanas, ela também havia perdido para Putintseva na grama de Birmingham. "Acho que eu não joguei tão bem, mas eu não fiquei surpresa com o nível dela, porque já havia jogado contra ela duas vezes. Ela varia muito bem o jogo".

A japonesa voltou a negar que sua má-fase nos últimos meses tenha a ver com o inesperado rompimento com o treinador alemão Sascha Bajin. A vitoriosa parceria durou pouco mais de um ano e rendeu à japonesa dois títulos de Grand Slam e um salto da 72ª posição do ranking até a liderança.

"Não acho que esteja relacionado a isso", disse apenas a japonesa, que encerrou o ciclo vitorioso em fevereiro e trouxe o técnico norte-americano Jermaine Jenkins. Já Sascha Bajin passou a fazer parte do time da francesa Kristina Mladenovic.

Quando seria perguntada sobre como é lidar com a fama repentina que ganhou depois de um período de muito sucesso dentro e fora de quadra, Osaka interrompeu de forma abrupta a entrevista e precisou se retirar da quadra, dizendo à assessora do torneio que estava "prestes a chorar".

Comentários
Faberg
Roland Garros Series