Notícias | Beach Tennis
Beach Tennis: Brasil é tri no Mundial por Equipes
07/07/2019 às 21h20

Em Moscou, equipe superou a Rússia e garantiu o troféu pelo segundo ano consecutivo.

Foto: Divulgação

Moscou (Rússia) – O Brasil conquistou o tricampeonato no Mundial de Beach Tennis por Equipes, neste sábado, ao superar a anfitriã Rússia na decisão por 2 jogos a 1. A equipe nacional chegou ao troféu em Moscou após as vitórias nas duplas masculina e feminina, apesar da derrota nas duplas mistas.

Essa foi a terceira final consecutiva da equipe brasileira, que chegou ao título em 2013 e 2018. Nos últimos dois anos, as decisões foram contra a Itália, que desta vez parou na semifinal. Diante da Rússia, o Brasil encarou a empolgada torcida local para se sagrar campeã.

A manhã começou com Joana Cortez e Rafaella Miiller vencendo as russas Irina Glimakova e Daria Churakova por 7/5 e 6/2. Depois, André Baran e Vinícius Font garantiram o troféu com o triunfo sobre Sergey Kuptsov e Nikita Burmakin por 6/2 e 6/3. O confronto terminou com a disputa do jogo de duplas mistas, em que Marcela Vita e Thales Santos perderam para Irina e Nikita por 4/2, 1/4 e 10-7.

"Foi uma conquista sensacional, incrível. Fomos campeões duas vezes em dois anos. Tenho muito orgulho desses jogadores, pois todos deram o máximo. É bom trabalhar com uma equipe unida desta forma, em que estão todos juntos. Foi um desafio muito duro jogar aqui contra a Rússia, mas conseguimos mais uma vez. Agora, vamos relaxar, descansar, mas logo vamos pensar no próximo desafio, em outubro, no Catar, para buscar outro grande resultado", comemorou o capitão Alex Minozzi, italiano ex-número 1 do mundo,  em referência aos Jogos Mundiais de Praia.

A campanha brasileira começou com a vitória sobre a Polônia por 3 a 0 na quarta-feira. Na quinta-feira, o time superou a Espanha por 2 a 1. Na semifinal, disputada na sexta, a vitória foi sobre a Alemanha por 3 a 0. Na decisão deste sábado, a disputa começou acirrada, com as russas chegando abrir 5 a 1 no primeiro set da partida, mas Joana e Rafaella conseguiram reagir e garantir a virada.

"Ganhar aqui da Rússia é inesquecível. O fato de estarmos perdendo de 5 a 1 e conseguirmos a virada, foi totalmente demais. É sempre maravilhoso representar o Brasil, estou muito feliz. Só tenho a parabenizar a todos da equipe e agradecer à CBT e todos que torceram no Brasil", destacou Joana Cortez.

Presente nos três títulos mundiais brasileiros, Vinícius Font também celebrou a conquista especial, que foi confirmada na vitória dele com o parceiro André Baran. "Conquistar este terceiro título é fantástico para mim, ainda mais jogando ao lado do Baran, que é meu parceiro. Não fizemos grandes jogos contra a Espanha e contra a Alemanha, mas na final foi simplesmente fantástico. Jogamos para cima, de forma agressiva e conseguimos fazer tudo o que queríamos", frisou Font.

Nos últimos anos, a CBT profissionalizou o departamento de Beach Tennis, o que culminou na conquista de importantes títulos e no Brasil se tornando uma das referências mundiais da modalidade. Além dos mundiais, o Brasil é o atual campeão pan-americano e sul-americano, além de dominar o ranking feminino com Rafaella Miiller na primeira colocação.

"A nossa delegação na Rússia está de parabéns. A CBT não mediu esforços para fornecer as melhores condições para que os atletas se preocupassem só em jogar, podendo mostrar a sua melhor performance em quadra. O bicampeonato consecutivo coroou todo o investimento por parte da entidade e comprometimento por parte dos atletas e do capitão. Agora, o momento é de comemorar, mas também de pensar em coisas maiores para um futuro próximo. Tenho certeza que o beach tennis brasileiro já se tornou uma referência em nível mundial", afirmou Rafael Westrupp, presidente da CBT.

CATEGORIA JUVENIL - O Time Brasil também jogou, neste domingo, a decisão da categoria juvenil, mas o time liderado pelo capitão Juca Russo foi derrotado pela Itália por 2 a 0. A equipe foi formada por Andressa Konell, Luana Nery, Victória Marchezini, Augusto Oliveira, Emilio Giorgetta e Ricardo Santos.

Comentários
Faberg
Roland Garros Series