Notícias | Dia a dia | Wimbledon
Djokovic faz 25ª final de Slam e se aproxima do penta
12/07/2019 às 11h59

Londres (Inglaterra) - Atual campeão de Wimbledon, o sérvio Novak Djokovic está cada vez mais perto de defender a conquista do ano passado e alcançar o pentacampeonato na grama do All England Club. Nesta sexta-feira, ele se classificou para a decisão do torneio ao vencer uma dura partida contra o espanhol Roberto Bautista, anotando parciais de 6/2, 4/6, 6/3 e 6/2, após 2h48 de confronto.

Será a 25ª decisão de Grand Slam na carreira do sérvio, o terceiro que chegou em mais finais deste nível, atrás apenas do suíço Roger Federer (30) e do espanhol Rafael Nadal (26), que se enfrentam na outra semifinal do dia. Em Wimbledon, é a sexta final de ‘Nole’, que assim iguala marca de Boris Becker, Jimmy Connors e Rod Laver, indo para a quinta colocação entre os jogadores com mais finais na competição.

Djokovic garante também a 22ª decisão de Slam entre integrantes do ‘Big 3’, uma vez que fatalmente enfrentará Federer ou Nadal no domingo às 10h (horário de Brasília). Ele tem vantagem no retrospecto contra ambos, soma 25 vitórias e 22 derrotas contra o suíço e tem 28 vitórias e 26 derrotas frente ao espanhol.

Algoz do número 1 do mundo nas outras duas vezes que se enfrentaram em 2019, vencendo ambas de virada, Bautista não conseguiu impedir o rival de superar a sexta semifinal em nove disputadas em Wimbledon. Djokovic amplia assim sua sequência positiva nas penúltimas rodadas de Grand Slam, tendo vencido 12 das últimas 13 partidas que disputou nesta fase.

Terceiro maior campeão de Slam com 15 títulos, o sérvio tenta se aproximar dos 18 de Nadal e dos 20 de Federer. Ele tenta pela segunda vez vencer Wimbledon em anos consecutivos, algo que fez em 2014 e 2015. Se conquistar a taça, ‘Nole’ chegará a cinco no All England Club e figurará na quarta colocação entre os maiores campeões do evento, ficando ao lado de Bjorn Borg e de Laurie Doherty.

Veja como Djokovic derrotou Bautista na semifinal

Djokovic teve um grande começo de partida, trazendo uma novidade: subidas repentinas à rede para cortar as trocas de bola que tanto agradam o espanhol. Bautista entrou preso, provavelmente tenso, e não foi competitivo no primeiro set, perdendo dois serviços.

Quando enfim obteve a quebra na abertura do segundo set, num game menos consistente do sérvio, Bautista se soltou e daí em diante o sérvio teve dificuldades em todos os serviços, com o adversário claramente investindo mais no ataque a seu forehand.

A bola na fita que fechou o segundo set provocou reação irônica de Djokovic, que aplaudiu a vibração do público, e ele voltou a se mostrar muito irritado ao final do segundo game. O jogo então mudou para trocas de bola cada vez mais longas e, num momento muito inspirado, Djokovic fez lances geniais para obter a quebra. Passou ainda sufoco no sétimo game, salvando 15-40, e vibrou muito ao fechar o set.

A intensidade do espanhol então desabou. Djokovic continuou apertando com bolas profundas e obteve as quebras até sem grande esforço, já que o volume de jogo já era bem diferente. Djokovic fechou a partida com 64% de primeiro saque em quadra e 77% desses pontos vencidos, incluindo nove aces. Foi 53 vezes à rede, com sucesso de 79%, que contribuiram para os 42 winners (frente 34). O estilo mais ofensivo gerou 29 erros, um a menos que o espanhol.

Comentários