Notícias | Dia a dia
Menezes buscou seu caminho longe do Brasil
05/08/2019 às 13h39

Lima (Peru) - Responsável por levar o Brasil ao posto mais alto do pódio no Pan-Americano de Lima, conquistando não apenas a medalha de ouro, mas também a vaga nas Olimpíadas de Tóquio, o mineiro João Menezes escolheu fazer a caminhada em busca de seu espaço no circuito profissional longe do país.

Com cada vez menos eventos em solo nacional, o mineiro de 22 anos nascido em Uberaba não teve medo de buscar novos horizonte e desde o começo de 2016 focou seu calendário em eventos fora do país. Depois de fechar 2015 em um future brasileiro, o nono daquele ano, Menezes só voltou a jogar por aqui nesta temporada, aparecendo no quali do Brasil Open.

O mineiro passou os primeiros nove meses de 2016 afastado por lesão e quando voltou havia perdido quase 200 lugares no ranking e era apenas o 729º. Buscando pontos nos eventos que dava no saibro sul-americano, ele não conseguiu resultados expressivos e fechou a temporada na modesta 750ª colocação.

No ano seguinte, Menezes se arriscou nos mais diversos futures pelo mundo, principalmente na Europa. Jogou eventos em Portugal, Espanha, Sérvia, Suécia, Egito e Grécia, fechando 2017 na 540ª colocação. Ele continuou tentando a sorte longe da América do Sul em 2018, chegou a fazer três finais seguidas na Nigéria, com dois títulos e um vice e alcançou o top 300 pela primeira vez.

Depois de uma excursão por torneios em piso duro na América do Norte no segundo semestre de 2018, Menezes perdeu um pouco de terreno e fechou a temporada no 398º lugar. Começou então 2018 e ele retornou aos eventos sul-americanos no primeiro trimestre, jogando challengers e o quali do Brasil Open.

Menezes mais uma vez não se furtou de viajar para caçar pontos. Neste ano, esteve no México, nos Estados Unidos, em Portugal, em Israel e no Uzbequistão, onde conquistou seu primeiro challenger e garantiu o retorno ao top 300. Fez mais uma turnê pela América do Norte, com uma final em Binghamton, até que chegou em Lima e levou o ouro no Pan-Americano.

Comentários
Raquete novo
Mundo Tênis