Notícias | Dia a dia
Sul-coreano é primeiro atleta surdo a vencer na ATP
20/08/2019 às 15h25

O jovem de 21 anos Duckhee Lee fez sua estreia em torneios pela elite do circuito

Foto: Divulgação

Winston-Salem (EUA) - O jovem jogador sul-coreano de 21 anos Duckhee Lee fez história na noite da última segunda-feira. Pela primeira vez, um tenista surdo venceu uma partida pela elite do circuito profissional. O atual 212º colocado no ranking estreou no ATP 250 de Winston-Salem vencendo o suíço Henri Laaksonen, 120º, por 7/6 (7-4) e 6/1.

Lee nunca havia disputado um torneio de nível ATP antes, mas tem bom histórico em competições menores. Ele tem onze títulos em torneios profissionais de nível future e mais de cem vitórias na carreira no circuito challenger, com direito a duas finais disputadas. Este ano, venceu 23 jogos de challenger, com direito a um vice-campeonato em Little Rock. O sul-coreano até já teve um ranking ainda melhor que o atual, já que chegou a ocupar a 130ª posição em abril de 2017.

"Eu entendo que sou o primeiro jogador profissional surdo na ATP. Estou muito animado e um pouco nervoso por estar aqui. Este é meu primeiro torneio na chave principal. Espero dar o meu melhor", disse Lee, em entrevista à equipe de comunicação do torneio.

"Normalmente, não consigo ouvir nada. Apenas apenas alguns ruídos ou se alguém gritar", explicou o jogador de 21 anos. "Eu não consigo ouvir o som da bola ou as chamadas dos árbitros em quadra. Eu apenas foco meu olhar na bola e nos gestos dos meus adversários".

O sul-coreano também também diz não se intimidar com as altas temperaturas do verão americano. "Eu me dou bem jogando no calor. Meu apelido na Coréia é 'O Garoto do Verão'. Eu adoro o calor daqui", acrescentou Lee, que enfrentará o polonês Hubert Hurkacz, número 41 do mundo, na próxima fase do torneio.

O ex-número 1 do mundo Andy Murray falou sobre o quanto ouvir o som da batida na bola é determinante na escolha das jogadas e enaltece o grande resultado de Lee. "Se eu jogasse com fones de ouvido seria muito difícil captar a velocidade da bola ou o spin que sai da raquete. Nós usamos muito os nossos ouvidos para escolher as melhores jogadas em quadra. Isso obviamente é uma enorme desvantagem para ele. Por isso, ele precisa de muito esforço para conseguir fazer o que ele está fazendo" disse Murray ao site da ATP.

O norte-americano Tennys Sandgren, jogador de 28 anos e 73º do ranking, também compartilhou sua experiência com Lee. Ele também lembra que o sul-coreano tem ainda a barreira do idioma a superar.

"Eu ganhei dele há alguns anos e ele veio até mim com o tradutor do Google aberto no celular depois do jogo e me perguntou: 'Quais são minhas fraquezas?'. Para alguém que é surdo e não fala bem o inglês, poder se expressar assim é muito legal. Eu não faria isso! Você aprende muito sobre o jogo do seu adversário com base no som da batida na bola. Se você não consegue ouvir, precisa ter uma habilidade insana e um talento insano".

Comentários
Raquete novo
Mundo Tênis